29.2.12

Li por ai

"Todo autor é louco" - Rubem Fonseca

- Mas não é que é!? Eu concordo!

Volta às aulas






Lendo Os Canibais, de Montaigne - esse lindo!


Trechos:


Nossa razão, e não o que dizem, deve influir em nosso julgamento.


Tudo abraçamos mas não apertamos senão vento.


... Na verdade, cada qual considera bárbaro o que não pratica em sua terra.


Todas as coisas, disse Platão, produzem-nas a natureza ou o acaso ou a arte.


A vitória verdadeira é a que constrange o inimigo a confessar-se vencido - Cláudio


O valor de um homem, e a estima que nos inspira, medem-se pelo seu caráter e força de vontade.

poesia

Parece que aquece o coração
esquece que é paixão de ocasião
parece que te toma o corpo febril
manha, artimanha, estratégia, ardil

Parece que vem como onda
Me tragar para o fundo desse mar
Se ela surgir, não se esconda
Deixe-se levar

Parece urgente e atenta
Te devora com avidez e não se farta
essa santa, essa louca, essa pimenta
te engole, te sufoca e não te mata

Parece que vem te acordar
De dias sem cor e sem luz
Essa onda é magia na certa
Te desperta, te acende, te seduz.



[Bia Amorim]

pic


Quem não tem colírio usa óculos escuros...


28.2.12

pic poesia



Desatina a queimar
Desatina a arder
Desatina a molhar
Desatina a querer
Desatino eu
Desatina você
Desatina essa força
Ilusão de prazer

[Bia Amorim]

26.2.12

Práticas Bestiais



Uma notícia que 'shake my system'  hoje. 


As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram o fim da prática de sequestros e a libertação de maneira conjunta dos dez militares e policiais que seguem em seu poder como reféns.


Juro: há notícias, como essa, que parecem um sonho. A história mexe e sempre mexeu muito comigo. Houve um tempo em que os conflitos internacionais tomavam a minha atenção e me emocionavam tanto, que já estava difícil ver TV. Isso antes dos 14 anos. Sempre fui de um sensibilidade estranha, desconexa das coisas à minha volta. E fui seguindo nessa toada perigosa de me envolver e emocionar até me dar conta de que eu não podia e nem precisava carregar comigo as dores do mundo. Talvez nesse tempo eu tenha começado a fazer poesias. As palavras libertam. 


Há muito torcia pela libertação da Ingrid Betancourt e da Clara Rojas, as duas pessoas mais famosas sequestradas nessa guerrilha. Celebrei quando elas apareceram sãs e salvas depois de tantas agruras na floresta. Sofri, chorei, quando na última ação de resgate empreendida pelo exército colombiano, quatro reféns foram sumariamente executados pelas Farc. Gente presa há mais de 10 anos. Um, ferido, se salvou. O sargento Luis Alberto Erazo Maya, que estava sequestrado há quase 12 anos. E todo o resto do mundo voltou a colocar panos quentes na questão. As coisas passam para o módulo esquecimento até a próxima notícia voltar a aquecer os motores. Que bom que temos boas notícias, dessa vez.


Penso na vida que há de vir para essas pessoas que serão libertas depois de 12 anos destituídas de TUDO. Penso em como um cativeiro não transformaria pessoas em animais assustados (usando a palavra para expressar um primitivismo. Amo os animais e acho que neles encontramos sinceridade, mesmo por trás de instintos). Penso no significado da palavra 'recomeço' para cada um de nós. Para eles. Porque o tempo não pára, não é mesmo? Nós continuamos a nossa evolução no desenrolar da vida e dos acontecimentos aos quais também chamamos de futuro. Eles ficaram parados no tempo, presos num cárcere da mente também, num limbo existencial. Sobreviveram na base da esperança. Que gigantes! Que mentes!


E falando em mente, depois da alegria dessa notícia que está para se desenrolar na Colômbia - até com ajuda do staff brasileiro para intermediar a soltura dos prisioneiros - meu coração se volta para um homem chamado Youcef Nadarkhan, do Irã. Ele foi condenado à morte por ter abandonado o Islamismo e ter se tornado um cristão. Mais: um pastor cristão. Essa foi sua condenação e a qualquer momento ele pode ser morto. Apesar dos protestos que ecoam pelo mundo. 


Youcef Nadarkhani tem 34 anos, é pai de dois filhos e foi acusado de apostasia. Foi preso em outubro de 2009 e julgado e condenado por um tribunal em Gilan, na província de Rasht. O tribunal lhe deu a opção de voltar ao Islamismo. Ele se recusou. O judiciário retardou o veredito final, talvez temendo as implicações políticas. Agora, porém, a sentença foi confirmada.  

É absolutamente inaceitável que uma pessoa morra por causa da fé que professa. Seja ela qual for. É um traço claro também da destituição de uma liberdade. Liberdade de ser quem é. Liberdade de pensamento. Liberdade de expressão. O que também é um tipo de prisão, tanto quanto as grades da cadeia ou as correntes dos sequestrados na selva colombiana, que torna quem as pratica e aceita, bestiais. Não são casos isolados. Não devemos nos manter omissos ao que ocorre. O nazismo começou de forma lenta também, com "simples", proibição de autores e posterior queima de livros. Quem quer deixar que nossas ideias sejam queimadas nessa fogueira de arbitrariedades? De força bruta? De impedimento? De cerceamento dos sonhos? É preciso estar alerta. É preciso alertar.  

Frase


"Minha ansiedade é tamanha, 
que eu entraria agora na Saraiva 
e compraria no mínimo uns 10 livros"
#Crazy4books

Li por ai

"Para falar a verdade, 
só chorei de emoção ao constatar o amor que vinha para mim. 
Uma carta ou uma pessoa que me parava no hospital com um sorriso enorme, 
força, estou junto com você. 
Falo e me arrepio. 
Eu embarquei muito nisso. 
De trazer o amor para mim. 
Voltar para o sentido real da vida. 
E o sentido era este: troca. 
Um aprendizado.
 Só pode ser esse o sentido. 
Trocar um olhar de amor. 
É isso que move a gente para um outro patamar. 
É isso que faz a gente até se curar"

- Reynaldo Gianecchini em entrevista 
à Ruth de Aquino na Revista Época.

25.2.12

Foto Celular

Fim do carnaval. Achei curioso quando um monte de gente começou a desejar FELIZ ANO NOVO na quarta-feira de cinzas. Como se afirmassem: 'agora é sério. Agora o ano começa verdadeiramente'. 'É a vera', como a gente dizia nos jogos de bola de gude na infância (eu dizia!).


Quem é de festa, deixou-se levar pelo ritmo. Aqui no Rio a coisa é um pouco frenética com mais de 100 blocos saindo dos mais variados cantos da cidade, a volta dos bailes de salão e o desfile apoteótico na avenida. Tem para todos os gostos. Talvez só não tenha para quem não goste de carnaval. E acreditem: esses existem. É meio inviável ficar em terras cariocas. Eu não gosto. Tolero, é diferente. Mas os foliões começam o ano na maior adrenalina, se recuperando das forças despendidas em dias e dias de samba, suor e cerveja. 


Para quem não é de tumulto, há sempre a opção de viajar. Você pode escolher uma praia, o campo, casa de parente, uma fugidinha internacional. Há dias o suficiente para esse tipo de aventura. Mas também existe a opção de se retirar completamente. Eu mesma já passei dias de dolce far niente em um sítio com outras 150 pessoas num mesmo objetivo e sintonia: oração, reflexão, comunhão e 'controle social'. Sim, porque num lugar onde não há TV e nem o celular pega, o que nos resta é jogar a boa e velha conversa fora, conhecendo e nos dando a conhecer. E dessa forma, o ano começaria de verdade em paz. Zerado.


Não há melhor ou pior quando falamos da coletividade. Somos seres diferentes, múltiplos, e cada um vai dar conta de si no final. O que me preocupa e atrai é a forma como vamos dar conta, todos, de mais um ano que começa. Até aqui, ao que parece, tivemos um ensaio. E olha quanta coisa já nos aconteceu? O tempo tem passado muito depressa e caminhamos nessa sucessão de acontecimentos sem nos dar a chance da devida reflexão. O que você espera de 2012? Quantos passos você já deu nesse ensaio de ano, para que a sua realidade seja transformada positivamente? Falo isso, porque uma frase lida durante a semana mexeu definitivamente comigo:


"Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. 
Os livros só mudam as pessoas" [Mario Quintana]

Pessoas mudam as ideias. As ideias mudam a postura. A postura de cada um fala por todos nós. Mudemos, pois, de dentro para fora e revolucionemos, pelo menos, o mundo de coisas à nossa volta.



22.2.12

News

Meus trabalho de carnaval começam a aparecer. Vou colocar aos poucos, porque ainda estou tentando me recuperar. Graças a Deus deu TUDO certo. Espero que gostem.


Na noite de sábado teve o Baile de Gala do Copa
Rodrigo Santoro é um sujeito SENSACIONAL. 


Toda vez que me escalam para cobrir o Baile do Copa, eu penso: "ai meu Deus!". Claro que rola uma tensão, porque a logística funciona com números superlativos. São 1800 convidados comendo, bebendo, dançando e rodando pelos 4 salões e todas as varandas da parte da frente do histórico Hotel. É tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, que a gente fica preso no trânsito de pessoas e chega a não encontrar os conhecidos. Aconteceu comigo. Perdi a chance de dar um beijo na linda Katia Spolavori.


Kátia Spolavori by Edmar Fontoura


Mas ao final da noite, quando você percebe que tudo passa, que as coisas acontecem da maneira correta, que o fluxo corrente é inevitável e faz parte da festa... Então você tem uma boa sensação de dever cumprido. E percebe que até conseguiu se divertir no meio do rolo compressor. De black-tie no rolo compressor. De vestido longo, dourado, tomara que caia e torcendo para ninguém pisar na barra do vestido e te deixar meio nua entre tantos convidados. É carnaval, pensariam alguns, vale tudo! Menos a repórter pagar peitinho. E tenho dito!




Eu tenho uma relação gostosa com o Copa na minha carreira. Comecei praticamente a minha vida na rua naqueles salões. Era repórter de redação apenas, antes. Fiz muitas matérias até conhecer a 'soçaite' carioca. Conhecer de nome, de vista, ganhar sorrisos por ser a moça da Caras. Hoje boa parte já me chama pelo nome. Foi curioso voltar a ver essas mesmas pessoas - e outras - entrando na festa. Eu faço a maior festa, sou a moça da Caras que não deixa ninguém quieto. Junto grupos, faço piada, peço para olharem para a lente do meu fotógrafo. Sim, porque a gente luta junto com outros 30 profissionais pelo melhor clique. Não é simples, não é fácil.

Vi gente de sempre: Narcisa, Bruno e André, Liliana Rodriguez, Gloria Maria, Leila Schuster e seu novo maridão, Patricia Brandão (sempre a mais chique, a mais linda, a mais simpática)... Vi alguns de SP pela primeira vez, como a Brunete Fraccaroli e o casal Nizan Guanaes e Donata Meirelles. Muito bonita e simpática. Vi o Rodrigo Santoro. Um charme. Foi muito simpático comigo, contou boas histórias. Consegui o que nenhuma outra repórter conseguiu: entrar no camarote do diretor do Copa e fazer uma entrevista com ele. Apresentei os dois, vocês acreditam? Eu gosto de rir depois dessas minhas palhaçadas.  Só assim a vida encanta, quando a gente consegue rir de si mesmo. Sheron linda de rainha. Foi o carnaval dela. Eu acho. 

Ano que vem tem mais. Só não imagino eu estarei... Tudo pode ser.    

21.2.12

Café Tortoni


Queria estar lá :)

20.2.12

Ideas


Eu amei essa "casa" de livros! 
Ideia genial para aproveitar espaço em se tratando de amantes de livros, 
pessoas como eu :) 
Para limpar embaixo da cama é meio complicado, 
mas acho que vale!

poesia

  Num instante entre matérias a entregar, o desafio poético de hoje cumprido!

Quero me banhar em águas cristalinas
Deixar meu corpo flutuar
Quero me perder em ondas pequeninas
Que me levam de encontro ao mar

Quero por meus pés num cantinho sossegado
Deixá-lo sob o tempo, sob a brisa repousar
E com a ponta dos dedos tocar teu peito suado
E em um quente abraço minhas plantas aconchegar

Quero envolver os meus braços num abraço apertado
Um laço consentido que acalma os instantes
Sentir corpo a corpo o ato consumado
Sentir que o mundo já não é como antes

Quero ouvir sussurrada aquela velha canção
Que me acorda os sentidos, adormece o pensamento
Quero nos acordes desacordar a razão
E me deixar levar pelo infinito do tempo

Quero andar de mãos dadas pelos campos sem fim
Caminhando lentamente com dedos entrelaçados
E sentir que existe um universo assim
De amor sincero e sentimentos rasgados

[Bia Amorim em 20.02.2012]

pic


Certas cenas de carnaval deixam a gente em estado de graça, não é? 
Essa é a Maria Luiza Boni - a Super Maluzinha!

Pensamento

Hoje eu entendo porque em certos momentos da caminhada pelo deserto o povo Hebreu sentiu saudades do cativeiro, no Egito. Não os justifico, apenas, em algum momento da nossa incoerencia sem sentido, os compreendo. O desconhecido que se interpõem à nossa frente é um desafio de fé e não da razão. Fé é crer piamente naquilo que não se vez e talvez pouco se imagine. Aquilo que é conhecido, mesmo mais temido, nos parece mais "seguro". Mas caminhar é preciso, desafiando gigantes!

18.2.12

Poesia


No sussurro morno das coisas ditas,
No atropelo das palavras aflitas,
No instante sem juízo e com desejo,
Me entrego sem resistência ao seu beijo.
No beijo roubado, urgente, ansiado,
No gozo contido, colado, rasgado,
Nas mãos que se buscam sem direção,
Encontram-se almas despidas de razão.
Nas línguas que se tocam e se provocam,
Nos olhares que se buscam e evocam
A ansiedade latente e provocante,
Entregam-se trêmulos ao sabor do instante.
No calor do instante encontro prazer,
Na 'certeza' efêmera do eu & você,
Na agonia emanada, despudorada, fugaz 
Encontro satisfação e um pouco de paz.


[Bia Amorim]

17.2.12

Bibi Folia



Fico feliz se você aproveita o carnaval para viajar. Essa época me foi de ciclos. Ainda o é. Viagem, viagem, viagem e depois longo período de trabalho na Avenida do Samba. Tinha que reportar a diversão dos outros. Era um momento cáustico. No carnaval, ao que parece, ninguém é de ninguém em certos lugares. Até a alma deve sair dos corpos embebidos em álcool. Depois de sofrer as agruras dos camarotes ferventes e também de conhecer gente que eu jamais imaginaria sequer ver - de Madonna a Dan Aykroid - veio um período de bonança. Retiro no interior, buscando a paz e a transcendência onde nem o celular tem sinal.


Fico feliz se você aproveitou o carnaval para viajar. Eu não. A cobertura da folia me espera esse ano, mas decidi mudar. Algo me diz que se eu mudar a minha expectativa interna, tudo ganhará ares mais suaves e a diversão vai aparecer. Tenho sofrido por antecedência, o que é uma atitude completamente desnecessária. Sofre-se duas vezes: antes e durante. Quando chega o depois, você estará duplamente exausta. Então decidi conversar com a minha ansiedade para ter um Keep Calm, Keep Cool. Resultado? Estou resfriada! Quá Quá para moi.


Amanhã tem festa black-tie. Vestido longo no cabide e acessórios divertidos separados. É carnaval, certo? E daí se terei que espalhar os meus germes pelo salão? Paciência! Vamos repartir confetes, serpentinas e fluidos! Está todo mundo na mesma sintonia. Alegria, alegria. Dos constantes ou dos efêmeros na festa.  O dever do glamour está me chamando e eu preciso estar pronta. E se rolar um complicador no nariz, vou relaxar, as Coelhinhos e os Palhaços também têm charmosos narizinhos vermelhos. Fui! Mas volto, quando puder, para narrar o que vi e ouvi. Bom feriado a todos :) 
  

Sabe...

É carnaval praticamente. 
A cidade está no fervo. 
Minha garganta explode. 
Mas não em clima de festa. 
É gripe.

:(

16.2.12

Censo

Você sabia?

200 milhões de Havaianas são produzidas todos os anos.

censo: quantas Havaianas você tem?

15.2.12

poesia


Tatuagem sem tinta

A casca passa, a alma permanece
Floresce o que a gente plantou
Semeou em solo produtivo
O que mata e o que cresce
Sem querer, por querer...
Levamos na mochila desse viver
Lembrança e acolhida
Remorso e ferida
Chegada e partida
Pesos lancinantes,
Mas não pesos somente...
Levamos conosco a semente
De um futuro a ser plantado
Como o amor que cresce embalado
No peito
No certo movimento incerto
Do corpo suado e insuspeito
De quem se entrega.
Como a paixão indistinta
Tatuagem sem tinta
Sensações envolventes
Corpos trementes
Fagulha que descarrega.
Como a atração que acontece
Sorrateira e provocante
No vacilo de um instante
Já tomou as suas veias
Já criou as suas teias
E você se pergunta a sorrir:
Como cheguei até aqui?

[Bia Amorim]

pic


Hoje


Praia de Ipanema hoje com duas GRANDES amigas: ponto de convergência entre SP e Houston, Texas. LOVE & LOVE. Esse point só é viável mesmo no meio da semana (fim de semana lota até a beira d'água). E que delícia de lugar com doces companhias. Recomendo :)  

News

Foto: Edu Lopes para CARAS
Tive muito trabalho na minha temporada de Ilha de Caras, mas acho incrível que a minha profissão me leve a conhecer pessoas que têm a sensibilidade - de alguma forma - como ofício. Adriana Birolli me foi um enigma. E justamente por isso eu quis conquistar a entrevista e não apenas fazer o jogo de perguntas e respostas. Tivemos um bate papo sentadas em um sofá de frente para o mar de Angra, num deck nas areias da praia. Era fim de tarde. Clima ótimo. Adriana não faz questão se ser simpática pela necessidade de agradar. Ela, assim como eu, topou o desafio. O dela era ser coerente com seus pensamentos. E foi durante todo o papo. O meu desafio era fazer com que ela falasse coisas sobre as quais não costuma falar. Tudo fluiu, afinal. E fomos brindadas com fotos incríveis do Edu Lopes, que foi um ganho na bagagem profissional. Pessoa de primeira linha! Então, como vocês: a matéria. Boa leitura :)

14.2.12

pic


Drink & Poesia


Nesse fim de noite tomamos Frozen de pêssego e lemos poesia. Que noite linda. Esse moço tem uma voz incrível e interpretação única. Leu minha produção tão bem, que depois que eu e Ruivinha suspiramos, ele mesmo se arrepiou! Auto-emoção! Adorei!

Hoje



Hoje:


- Você é sempre bem-vinda à minha casa, tá?
- E você também é super bem-vinda à minha vida.


EMOCIONEI...

Na estante - O Livro do Boni





Finalmente acabei de ler "O Livro do Boni". Na semana de lançamento fui comprar e estava esgotado em várias livrarias carioca. Demorei, mas consegui meu exemplar. Não é bem uma biografia, perderia a graça se fosse uma contada pelo próprio autor. São causos vistos, vividos e narrados por quem fez o mundo da TV girar por mais de 30 anos.


Em 459 páginas (seria um número cabalístico este quase redondo?) Boni fala de tudo. Passagens bem interessantes da vida dele e outra muito irrelevantes. Assim como nas novelas, em dado momento você percebe uma barriga na história (jargão de TV). Principalmente quando você está ansioso para ver logo a parte da construção do padrão Globo e ela parece nunca chegar. A linguagem flui, o que torna a experiência ainda mais agradável.


Há mea culpa, revelações, pedidos de desculpa e esclarecimentos de toda sorte. Há uma parte meio machista, quando ela fala sobre a novelista Glória Magadan. Não me refiro às mostras de incompetência, mas ao trecho em que ele expõe o assédio dela a outros funcionários. Isso foi deselegante, porque certamente outras pessoas citadas no livro podem ter passado por situação semelhante e não foram expostas. No mais, tudo é festa e curiosidade na obra do Boni. Ele inclusive menciona a questão da ligação da Globo com a Time-Life, que sempre me pareceu sombria aos olhos públicos.


Uma aula sobre os bastidores da TV. A fábrica de sonhos também é feita de coisas muito, muito palpáveis. E de talentos intolerantes, como mostra e assegura "O Livro do Boni". A editora Casa da Palavra se deu bem!


***
Comecei a ler a biografia de Oscar Wilde.    

Poesia


Lua de luar errante

Ventos cortantes
Constantes
Temperaturas instáveis
São tantas as variáveis
No enredo da emoção.
Qual seria a solução?
Te pergunta o pensamento.
Qual o melhor momento?
Onde deixei a razão?
Lua de luar errante
Magia de amante
Sereia
Que prende em teia
De palavras
Proferidas
Sentidas
Jogadas
Encantadas
Turbilhão de temporal
Angustia o peito
Sem Solução
Querer e viver feito furacão
Raios de estrela sideral
Amoral
Inconstante
Lancinante
E bela
Feito a tela da janela
Intenção que precipita tempestade
Essa vontade
Esse desejo
Esse calor
De um beijo.

[Bia Amorim]

13.2.12

Esses perdidos

Tem noites mais quietas, mais quentes que quero poetizar os pensamentos. Anoto no papel devaneios da alma, mas nem sempre eles se tornam poesias. Elas nascem em sua cadência própria e alguns escritos se perdem no tempo do acontecimento. Hoje rabisquei...


* Palavras explodem pela tela, janela dos devaneios


* O certo movimento incerto dos corpos de quem ama


* Cala a sua boca e faz amor comigo. Agora. De pé. Com pressa. Perigo.


* Dores cotidianas. Algo que me queima por dentro. Arestas. Frestas. Sofridas. Tão descabidas em sonhos incontidos


* Beijos roubados e amor visceral são coisas que não fazem mal.


São tópicos frasais perdidos na intenção :(

Poesia


Acorda amor,
Que chegou o nosso tempo
Pra que tanta espera?
Pra que tanto temor?
Deperta, 
Vem viver esse momento
Faz cessar esse querer
Já raiou a primavera 
Floresceu o nosso ardor.
Acorda amor,
Me assopra feito brisa
Que meu corpo desliza
para o lado mais ardente
Desse sonho que invadiu o quarto
Estamos fartos
De palavras ao vento
Esperando por um ato
Momento cósmico, latente 
Acorda amor,
Me envolve nesse abraço
Me enlaça sem um laço
E me cala com um beijo
Sacia o meu desejo 
Destilado em intenções
Diz que eu roubo sua calma
E que é essa minha alma
que te causa convulsões
Acorda amor,
Porque vi nascer
No seu peito uma fogueira
Furtiva, inesperada
Porque driblei seus pesadelos
Porque sao meus atropelos
Que te acendem em agonia
Porque ver raiar o dia
Satisfaz o teu prazer
Acorda amor,
Pra que tanto zêlo?
Pra que tantas palavras?
Lá se vão as madrugadas
Entrelaçando nossos pelos
Nossos cabelos, nosso suor
Nossas súplicas, nossa pureza 
Nosso gemido nesse chamado
Da natureza.
[Bia Amorim, 13/02/2012]

12.2.12

RIP Whitney Houston


Eu fico muito, muito triste com a morte dela. Durante a minha adolescência fui fã+. Tive vários CDs e livros tipo seriados que contavam sua trajetória. Tinha 16 anos quando ela veio ao Brasil, fazer o show do Hollywood Rock na Praça da Apoteose, Rio. Minha Mãe não me deixou ir sozinha, claro. Vi pela TV, resignada. Fiz da cama a minha arquibancada. Cantei TODAS as músicas. Gravei o show e revi tantas vezes até a fita estourar. Fiz o mesmo com O Guarda-Costas, talvez o filme que mais tenha visto na vida. Paixão adolescente, coisa intensa. Whitney foi uma inspiração para eu cantar na igreja. Assim ela também começou. Foi abençoada com um dom raro, onde a técnica estava a serviço da emoção e não da plasticidade apenas. Sensível, se deixou levar por coisas que nos são lícitas, mas não nos convém. Acompanhava a derrocada de alguém que admirava, torcendo sempre por uma recuperação. No fundo do coração, o desejo de um dia poder estar na plateia de um dos seus shows, como fiz com Bon Jovi, Elton John, Phil Collins, Joss Stone, Stevie Wonder, Mariah Carey, Celine Dion, Rolling Stones era real. Achava que ela fosse voltar, como muitos voltaram. Não deu.


Meu primo MA resumiu bem a história, transcrevo aqui:


Muito triste o fato da cantora Whitney Houston falecer, mais ainda pelo fato das drogas serem talvez o "meio" que findou a sua precoce morte. Famosos e não famosos nas calçadas da vida também tiveram este mesmo e lamentável fim. Há quem sente na curva sem esperança alguma e nunca mais levante e siga adiante. Em momentos que a morte se faz tão presente lembro apenas de um amigo que lutou contra um câncer e em momento nenhum ele falava ou aceitava a morte, porque vivia dizendo, sorrindo e sereno, que ainda tinha muitos sonhos a realizar. Infelizmente este amigo já faleceu, mas o seu otimismo ainda vive em mim. 


Whitney Houston foi um dos artistas mais bem sucedidos do mundo da música, tendo vendido mais de 200 milhões de gravações em todo o mundo com 415 prêmios conquistados em sua carreira até 2010. Ninguém com um mínimo de sensibilidade não se emociona quando a cantora, numa pequena pausa, solta o seu vozeirão na música "I will always love you" - tema do Filme "O Guarda Costa". 


E a vida segue e eu deixo aqui escrito neste dia de domingo na sua ausência sentida um trecho desta mesma linda música que diz nas palavras e na bela voz da Whitney Houston a seguinte mensagem: 'Espero que a vida te trate gentilmente/ E eu espero que você tenha tudo que você sonhou / E eu desejo a você, alegria e felicidade... Mas, acima de tudo isso, eu te desejo amor'. 


Vai em paz Houston e a gente segue adiante te escutando sempre.   

11.2.12

Viva a noite

Tem noites que conspiram a seu favor. Hoje não pude fazer nenhuma programação intensa com a Ruivinha, que amanheceu chumbada, doentinha. E a gente tinha duas boas festa:no começo e no fim do dia. Perdemos. Comprei remedinho, fiz um almocinho leve e revigorante, fui cuidar da minha cria com todo prazer. Deitei juntinho, dei carinho e el foi se recuperando. Carinho é parte de qualquer profilaxia que se preze. 


No fim do dia, a correspondência que eu tava doida esperando chegou. O telefonema que eu nem esperava, veio. Tudo caminhando bem. A pequena melhorou e resolvi levá-la para jantar. Sassá, Onça e Digo perderam o horário do teatro, presos num engarramento. O Rio parou com os inúmeros blocos que tomaram as ruas. Marquei com eles no restaurante, já estavam caminho. Liguei para o Professor Xéu e ele estava há duas esquinas do lugar. Oba.


O trio chegou no shopping e o estacionamento estava LOTADO. Desistiram. Eu, que já estava na esquina de casa, resolvi arriscar. Estacionamento aberto. Oba. Subi duas rampas e uma vaga GIGANTE se abriu na minha frente! Nem procurei. Deus queria que eu jantasse! Agradeci, claro. Professor Xéu já me esperava. Fomos de japa. Poucos homens que saem comigo gostam de japa. Outra sorte. Fim do jantar, fomos tomar um drink.


Restaurante LOTADO na porta. Mas, se você encontrar lugar no balcão, você pode sentar sem entrar na fila. Tinha umas pessoas nessa de olhar sem entrar na fila. PUM! Três lugares na nossa cara! UHU! Viva a noite! Viva! Frozen absolutamente gelado para refrescar esse verão carioca que nos consome. What a day!


PS: Amigo meu tá fazendo curso de hipnose e me  chamou para ser cobaia nas suas práticas. hahahahahahahah COITADO! Vai se assustar. Como deve ser meu modus operandi em transe?

10.2.12

Pug


Mulheres adoram caras de rosa

Contabilidade

perdi um Ciclista Oficial no Mural da Fama.
a vida (até a virtual) é assim: 
hora se ganha, noutra se perde.
chato perder, 
mas a chatice também dá a medida das coisas.

Soltas

Beleza - Outro dia li que para certos procedimentos estéticos 30 anos já é considerada uma idade madura para se começar. Oi? Muitas mulheres começaram a aplicação do botox antes dos 30. Isso me deixou um pouco chocada, sabe? Tenho medo daqueles que começam a considerar o exagero uma espécie de padrão e isso imputa sofrimento (patrulhamento) aos que não aderem aos modismos. E achei curioso que uma das cirurgias cuja técnica foi aperfeiçoada foi a dos lóbulos da orelha. Oi? Nunca reparei meus lóbulos. 


Tecnologia - Estava falando com um amigo que os novos celulares nos ajudam a não sair carregadas de casa (depois vi uma matéria a respeito). Nele tenho meu laptop, telefone e câmera fotográfica. Eu curto. Tenho feito bom uso, apesar de não ser uma pessoa tecnológica. 


Li - Todos os dias, 19 brasileiros se tornam milionário [Oe? Reli três vezes, podia ser um golpe de vista. Não era. E você: já está próximo do seu milhão? hahahahaha] 

Lendo Veja antiga





"Infelizmente nenhuma mulher conseguiu definir o que é pegada. Mas por que Michel Teló está fazendo sucesso com essa música Ai, Se Eu Te Pego? Todos querem dar uma pegadinha. A coreografia traz um gesto que todo mundo esperava fazer de forma livre. Isso é fruto da maior liberdade sexual? Sem dúvida, mas acontece que não ganhamos mais qualidade no sexo. A mulher está para o homem para o que der e vier. Já o homem, infelizmente, está com a mulher que vier e der. Há muito o que melhorar nessa relação... - [em Conversa com Eliano Pellini, médico ginecologista que ficou famoso por sua participação no programa Mulheres, da TV Gazeta, para a Veja].


Eu ri muito com essa frase destacada no texto. Concordando com o fato ou não, você há de convir que foi uma boa sacada, né?  


####### ####### ##########


"O que o incomoda no BBB? Nunca investiria num programa que escolhe a dedo pessoas esquisitas só para embriagá-las e depois vê-las criar situações constrangedoras. Tenho convicção de que se poderia realizar um reality show benfeito sem patrocinar esse tipo de aberração. Não falo por moralismo - tampouco senti reação negativa do público por questões morais. A TV brasileira caminha junto com a sociedade. Tudo está mais liberal. O que me incomoda no Big Brother é que é televisão de baixa qualidade. É ruim, simples assim..." - [José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em mini entrevista à Veja]


Há quem goste do programa. Quem seria eu para criticar o gosto alheio? Principalmente quando se trata de um produto que vive tendo recordes de audiência? Dito isto, reitero que a opinião anterior não tira de mim o direito de não gostar, e portanto evitar, o programa e também não me deixa isenta de alguma análise, posto que trabalho com comunicação. Sim, há tempo não acompanho integralmente o BBB. Mas, como brasileira, existe a possibilidade de ficar imune ao que é levado para a tela através do programa? Missão impossível. Achei a análise do Boni muito interessante, porque a gente vai acompanhando a degradação das circunstâncias a cada edição. Antes, havia gente com vergonha de beijar... Hoje, há pessoa que transam sem se incomodar com as câmeras. Sei que está tudo mais liberal, usando a expressão empregada pelo Boni, mas há coisas que são de foro íntimo e que deviam permanecer nessa condição. Sei que eu posso desligar a TV, mas queria ter alguma garantia de que ao ligar em uma programação, eu saiba sobre ela e não seja pega de surpresa com a intimidade do outro invadindo a minha vida. Não falo apenas de sexo, falo de intimidades e esse conceito também já perdeu os parâmetros há algum tempo. Quem discorda, me conta por que?



poesia light

Dias quentes
Noites frias
Verão latente
Cama vazia
No corpo sôfrego
Há tanto espaço
Amores trôpegos
Caíram no laço. 

poesia

Não se apresse
Não se afobe
Chegue lentamente
E me pegue pela mão
Olhares contundentes
Provocação
Não se apresse
Não se afobe
Mantenha o ritmo certo
Vai chegando mais perto
Corpo colado
Respiração
Não se apresse
Não se afobe
Mantenha o lábio selado
Num beijo inesperado
Palpitação
Olhos nos olhos
Mão no cabelo
Certezas incertas
Atropelo
Sonhos incontidos
Se espalham pelo chão
Para desejos reprimidos?
Sedução.