30.6.12

Pára - Anti-pum!?!

Ah, não, pára. 
Ainda faltava inventar alguma coisa no mundo? 
Sim, faltava...
Quando você pensa que não, pérola são soltas no ar. 
Ou reprimidas, no caso. 
Acabaram de inventar um adesivo anti-pum chamado Flat-D Flatulence Deoderizer
E o fabricante não é das Organizações Tabajara. 
Trata-se de um adesivo, tipo carefree, de uso diário, que promete inocular os odores desagradáveis (a nhaca, catinga, podridão, carniça, rato morto, futum e adjacências) por 24 horas. 
É praticamente, na minha opinião (que nunca usei, é bom frisar), como aqueles sachês que você coloca para aromatizar o interior do seu veículo, sabe como é? 
Esteticamente, eu me refiro. 
Ah, sei lá!
Garante segurar o pum e o período feminino (vamos suavizar essa bagaça!)
O modus operandi está no site do produto.
Ainda faltava inventar alguma coisa no mundo?


A criatividade é algo que muito me surpreende hohoho

poesia

querer, desejar
circunstancial
mero momento
realização pontual
um pedaço de você,
nunca inteiro...
Vou te tendo
da maneira que posso
assim
só no chamego
só na saudade 
fica a vontade 
intransponível

[Bia Amorim]

*chamo a isso de poema, pensamentos poéticos ou algo do gênero... Mas a minha mestra, Chigres, chama a isso de poesia (em função do eu lírico e dafinalidade estática, o ritmo empregado). Então tá...

Li Por Ai

" ...Fico pensando que nem sempre sabemos recolher só encanto...
Por vezes, insistimos em capturar o encantador,
e então o matamos de tristeza. "
[ Rubem Alves]

29.6.12

Homenagem aos Cats







Soltas

Tom Cruise e Katie Holmes, heim? Tom e Kate  

***
Reta final do livro, que alívio. Foram 42 entrevistas em dois meses. 42 textos de 2 mil caracteres com resumo da vida de pessoas TÃO diferentes. Essa é a graça da aventura da escrita: fiz vários mergulhos existênciais. Ah, e reescrevi algumas versões. Faltam duas \0/

***
Fim de semestre e eu estou agarrada num artigo que pretende discutir: "aparecer para parecer ou parecer para aparecer". Não A versus B, mas um se contrapondo ao outro, ora sobrepondo-se. Tenho dois dias: HELP!

***
Má ooooi! Li hoje que teve um concurso de Miss com mulheres que sobreviveram ao Holocausto. As candidatas tinham entre 73 e 89 anos, se não me engano. A "turma do deixa disso" botando pra quebrar, dizendo que o assunto era sério de mais para ser tratado desse forma e a organização defendendo que deve-se usar todos os motivos para a história não ser esquecida e que ao fazer um concurso como esse faz com que as pessoas subvertam o passado e passem a encarar o presente de forma mais positiva.

Achei um pouco desnecessário, mas de maneira nenhuma ofensivo. Ia ser mais bacana fazer um calendário com essas mulheres, sei lá. Mas um calendário 'comum' não chamaria tanta atenção para o assunto, não é mesmo?

***
Cidadão aqui da vizinhança deicou os gatos trancados dentro do carro. Quando ele voltou da rua, tinha uma vizinha indignada reclamando que ele havia deixado os bichinhos lá durante três dias. Ele urrava que não foram três dias. Quando a pessoa grita, na minha opinião, é porque não tem um argumento tão forte. Começa por ai. Se é que existe algum argumento que justifique deixar os gatinhos em um carro trancado, mas, segue a história.

O sujeito argumenta que a mãe dele passou mal dentro do apartamento e ninguém notou. O sujeito argumenta que é prática comum as pessoas levarem os gatos ao veterinário dentro do carro e que se tivessem que passar no shopping ou no mercado, é comum os bichos ficarem dentro do carro.

Oi?

Um: o que tem a ver a mãe dele passar mal dentro do apartamento e não ser notada e os gatos na garagem onde todo mundo passa serem notados?

Dois: é mesmo comum levar os bichanos no VET no carro, mas, no mínimo haverá janela aberta ou ar ligado, não? Ou será por um curto período de tempo.

Três: me espanta saber que é comum a pessoa ir passear em um shopping e deixar o bichinho trancado dentro do carro. Mas... tava moda esquecer bebês nessa mesma condição, não é?

Eu duvido que tenham sido mesmo três dias. Os gatinhos morreriam e caso não morressem, o carro ia ficar com cheiro. É capaz de uma pessoa assim dar mais valor ao carro que ao gato.

A vizinha denunciante disse que chamou as autoridades. Ninguém apareceu. Minha indignação foi tão crescente, que nem quis saber o final dessa história. De qualquer maneira, sei que os gatinhos não ficariam com o melhor da história. 

Mundo Cruel... 

Pensamento... Llayout

Estou com muito desejo de mudar o layout do blog... Mas tenho medo de perder informações nesse processo. Queria, em especial, poder tirar as margens das fotos, para que elas possa preencher todo o espaço destinado à escrita. Deve ser fácil fazer isso, mas...

1) Tenho dificuldade com a tecnologia;
2) Meu blog é pré-formato, então, se não me engano, estou engessada nessa configuração...

Duas pessoas tentaram fazer um template para mim, mas confesso que até gosto dos que são pré-formatados, porque as ferramentas são fáceis de se usar e de se fazer tentativa e erro para conseguir chegar a um bom termo. Gosto também das misturas de vermelho escuro, cinza, branco e preto. Meu primo, que é publicitário dos bons, diz que meu layout está ultrapassado, antiguinho. Mas não me importo de ser old fashion. Não falo de retrô, até porque o design está longe, far far away, disso. 

Queria um desenho que representasse o blog lá em cima. Uma menina em uma bike. Mas um desenho mesmo, não algo estilizado. Um desenho tipo comic ou cartoon. Ou um desenho com traços infantis mesmo, arredondados, coloridos, tipo o que o Caio Cardoso (do Cogumelo...) faz. A pureza de um passeio pela cidade.

A gente tem muita poluição de todos os tipos nos abordando a cada segundo. Gosto da simplicidade de ser e saber. Fico contente com o que tenho, mas não quer dizer que não surja, vez por outra, o desejo de mudar.


Contabilidade

Chegamos ao 154 seguidores oficiais no Mural da Fama Ciclista.
Não conheço o Diogo pessoalmente, mas gostei do seu blog:
Um amante da construção da palavra exata, assim como eu, embora em estilos distintos.

28.6.12

Dona Gostosa

Dona Gostosa: morri!!!!!
Com três meses ela já fica de pé, durinha, só com a mão do pai dela apoiando!
Minha ursinha sapeca.
Com 3 meses, ela já foi a mais eventos sociais que eu - nesse meio tempo, claro!
Alimentada só com o peito da mamãe dela e com um bumbum lindo, rosinha, sem assaduras, graças à fralda de pano!

Falando nisso... a Branquinha

Meu blog tem uns personagens, né? Pessoas sobre quem falo. Tive dois namorados que quiseram ser personagens, com aqueles nomes em código, um alterego, personalidade não-revelada. Acho engraçado e curioso. Gosto de lembrar. Me faz sorrir. Enfim... Bla, blá, blá

Shemesh e Vini tiveram a Dona Gostosa, de quem falo sempre.

Bia Bug e Franitos vão ter uma menininha já já, reta final.  E eu me dei conta de que provavelmente não vá ver a Branquinha nascer! Chamavam ela de Azeitona, no começo. Mas esse caroço 'pocou' grande, a pança da Bia Bug está enorme. Azeitona já não cabe. Nem Pote de Azeitona cabe mais. A Branquinha vai ser grandona! E linda, porque não tem outro jeito...


Foto: Karine Marques

Nossa turma está crescendo de outra forma (que não agregando pessoas/amores); criando uma nova geração que há de nos suceder. Bonito de ver e de pensar. Queria ir visitar no hospital, porque sempre acho que em casa, atrapalha. Bebê novo, pais de primeira viagem... Sempre penso no caos. Delicioso, mas palpitante. Acho sempre que a mãe merece dormir e não fazer sala para visita. Mesmo que a visita seja íntima. Que frase estranha, ui. (estamos falando de bebês, vamos decepar todos os trocadilhos em picadinhos e fazer chuva de papel).

Não devo ver a Branquinha nascer. Devo estar viajando. NHÉ. Mas nem quero que ela me espere, hohoho. Viva a tecnologia, tenho certeza de que poderei ver seu rostinho antes mesmo de voltar. Quem sabe a cegonha não dê um rasante antes? Até a cegonha ouve a voz do Papai do Céu e eu sei que Ele está no controle. 

Vem logo Branquinha, que a Tia Bibi quer te dar colo.  
 

27.6.12

GRRRR

Coisas e sons irritantes que lembro em 30 segundos. 
Valendo:

Gente que chupa dente (meu clássico dos ódios mortais)
ronco alto
bêbado incoveniente
vômito que espirra em você
unhas arranhando a parede ou no quadro negro
gente que fala sussurrando perto de você
tabitate de adolescente apaixonado
faca que raspa no garfo quando corta (vale no prtao também)
Mulher que lasca esmalte da unha
gente que estala unha
estalo de plástico bolha (quando não é você fazendo)
dedo cortado por papel
topada de dedo mindinho
gente que come de bocar aberta (vale para chiclete)
barulho de brinquedo infantil tocado mais de três vezes seguidas
pia pingando (ou chuveiro)
mosquito no ouvido no meio do sono
escarro na rua (em qualquer lugar, né?)
bozina desenfreada em engarrafamento
gente que come a unha e cospe a unha depois (sabe aquele cuspe seco?)
chiado de rádio fora da estação

#Eu estou ficando velha ou tenho razão?
# E você, o que te irrita?

pic



Soltas

Vou ter que ir de soltas mais uma vez porque:

1) O dodói do ouvido ainda está acabando comigo (febre, dores, tonturas);
2) Fim de semestre e tenho só essa semana para entregar um trabalho Giga;
3) Prazo final para a entrega das entrevistas do livro (que não é o meu, mas tô ajudando);
4) Escrevendo tanta coisa, fico ainda com vontade de escrever para vocês, mas está complicado de expremer esse limão;

***
JULHO - chega logo, você promete ser um mês deslumbrante. 
Tenho planejada três viagens boas. 
Será que dá?

***
"Chantily, chocolate e leite condesado pra nós"
Há muitas maneiras de se mimar, alguém. Invente uma! 
:)

***
Eu com dor de ouvido + VM com problemas de siso = altos-papos. 

VM - Tirar siso é como parto normal. Você descobre que é animal, que tem sangue, que veio das cavernas... Fiquei pensando nessas coisas lá de boca aberta, pensando no mundo sem anestesia. Como devia ser? Ainda bem que nasci no século 20.

Bibi - Menino! Eu pensei exatamente nisso com a dor de ouvido. Pensei naqueles filmes antigos, de fazenda, tipo "Lendas da Paixão", que não havia remédio, que o cara podia morrer com uma dor dessa minha. Até porque, se não morresse da doença, acabava se matando com a angústia da dor.

VM - E a dor era curada com uma marretada, ou seja, com mais dor (rs).

Bibi - Loucura! Sabe o que eu também pensei? Que na época da ditadura, se me pegassem, eu confessava na hora. Não aguento sentir dor. Sou frouxa.

VM - Eu acho que fingiria que sou louco. Não sei como reagiria numa tortura... É muito complicado julgar isso. É testar o nosso limite né?

Bibi - E mais: por que eu e você somos tão malucos para ficar pensando essas coisas, nesses momentos?

VM - Acho que a gente anda sentindo dores. hahaha

Bibi - Com a gente é sempre assim: se é papo de dente, a gente chega ate a raiz!

Adoro os meus amigos maluquinhos. Até porque, maluco que é maluco de carteirinha, sempre se reconhece no mesmo grau! Au-Au :)


26.6.12

soltas

Li um troço hoje que me gustó:
"Depois da Tempestade sempre vem o Wolverine"
hahahahaha

***
O Wolverine ainda não apareceu aqui em casa não, mas a tempestade se instalou desde ontem à noite. Uma dor de ouvido de virar do avesso. Dormi apenas as quatro horas que o antiinflamatório  funcionou. O mesmo que usei para dor de dente antiga. Era o único em casa. Odeio auto-medicação, mas parecia que ia morrer. Antes das seis da manhã já estava com a bolsinha de água quente e mal o galo cantou, já estava na rua: rumo ao médico.

Encaixe. Espera. Sozinha na recepção. Meu Pai jamais me deixaria sozinha. Mas perder é parte do jogo e saber transcender a perda é fundamental para o crescimento. Keep moving. Pedi carinho pelo celular e ganhei um monte de gente para segurar a minha mão. É virtual, mas aquece.

***
O remédio prescrito me derrubou por nove horas. Trabalho acumulado, prazos gritando. Tudo que o que eu quero é resultado. Ainda dói.

***
Há dois dias sem lavar o cabelo. (ui, que lindeza!)
Vocês podem imaginar a tragédia, rs

***
Onassis colocou a nossa fotinho como capa da sua wall. 
Amores de Amigos 


  

Imagina isso na Copa?

Quando a coisa é BOA, é preciso compartilhar.
Eu amo o Rio e suas particularidades :)

24.6.12

pic



Expectativa e Realidade




Quando a minha sobrinha Ruivinha disse que ia fazer uma tatoo (e fez, na panturrilha), foi esse o resultado que a minha Mãe imaginou. 
#Garanto!

Frase

"Queira sempre quem te queira.
                          Queira muito quem te tem."
                                                 [Bia Amorim

Faz algum sentido para você?   

poesia

Tira
um a um
lentamente
meus medos
meus zêlos
atropelos
descrentes
Vira
com cuidado
meus avessos
avessos
a chegadas
e partidas
entradas
com saídas 
programadas
Traça
aos trancos
veementes
um traço 
firme
certo
ereto
etéreo
nesse corpo
que como novelo
cede aos apelos
febris
dos ardis
internos
Une
frente a frente
com força
as coxas
da moça
ao moço
do colchão
e treme
numa trama
sacana
que se entrega
que se engana
que se chama
febre alta
combustão


[Bia Amorim]




Pensamento

 
Desde pequena minha Mãe diz para mim que "quem ama o feio, bonito lhe parece" para diversas circunstâncias. Já ouvi essa frase milhares de vezes, portanto. E já vi essa frase personificada em tantas ocasões, que é impossível de se calcular. Inclusive vivada por mim, porque, né, macaco olha seu rabo! Mas nunca, nunca sem susto ou questionamento interno (a curiosidade das intenções me consome em certas situações). O conceito de gosto, beleza e atração, individualmente, é algo por demais de relativo. Não há regras, só desvios, afinal. E assim sendo, por que ainda há tantas cobranças e apontamentos? Por que há tantos desapontamentos?

Thais Gulin


A camiseta usada pela cantora Thais Gulin (postada por ela no Twitter e roubada por mim do Blowg), a musa/mulher do Chico Buarque, me fez rever vários conceitos: do meu armário até o estilo 'podrinho', tão em voga no mundinho fashion. Isso é o que eu chamaria de personalizado, o resto, é bobagem...

22.6.12

Frase

"Desperta, esperto e vem pra perto. Meu id quer alimentar seu ego"

[Bia Amorim]

Job

Algumas pessoas e empresas me contratam para fazer o release delas. Um tipo de apresentação pessoal-profissional que tem como objetivo ser distribuido entre veículos de comunicação para suscitar pautas/matérias. Mas acaba servindo para outras questões. O aquarelista Ivonesyo Ramos, por exemplo, usou meu texto para se apresentar em seu site. Pois é, quem quiser me contratar, "tamos aí".

***
Identidade expressa em cores. As aquarelas de Ivonesyo Ramos dispensam assinatura, ao imprimir na tela um estilo único de retratar pessoas e paisagens com técnica apurada e paixão em cada pincelada. Das curvas sinuosas do Rio ao clima agreste do remake de “Gabriela”, passando pelos retratos de nomes consagrados da MPB, como Maria Bethânia e Chico Buarque: tudo ganha status de arte ao ser codificado pela sensibilidade desse carioca reconhecido internacionalmente.

Filho de artistas plásticos, Ivonesyo Ramos teve seu primeiro contato com aquarela ainda criança. Aos onze anos, fez um curso de experimentação e conceituação no Parque Lage, dando os primeiros passos nessa que é uma das mais difíceis técnicas da arte de pintar. Aos 26, como arquiteto, ao invés de traços feitos a lápis, usava a aquarela para desenhar as anotações que construiriam seu repertório profissional.

Ao completar 28 anos, Ivonesyo recebeu um convite para desenvolver seu trabalho em Portugal. Teve oportunidade de buscar referências por toda a Europa e o talento como aquarelista foi requisitado por vários ateliês em Florença, berço da arte. Obstinado, preferiu voltar ao Brasil em busca de um caminho próprio. E foi no Rio que encontrou e marcou a sua identidade: os caderninhos sem pauta começaram a ser freneticamente preenchido pelas paisagens cariocas. A demanda por trabalhos em escala maior rapidamente surgiu. Em cinco anos, o artista já produziu mais de mil obras. Atualmente, ele possui um acervo de 500 peças em seu charmoso ateliê, no bairro da Urca.

O talento, marcado pela busca incessante do último detalhe para solucionar o mais intrincado quebra-cabeças, fez com que Ivonesyo fosse convidado para levar sua arte para marcas como Mr. Cat e Richard’s. A pedido da gravadora Universal, o artista assinou a capa do CD “Maria Bethânia interpreta Chico Buarque”, além de ter produzido retratos em aquarela de Nelson Gonçalves e Elvis Presley, entre outros. Sua marca inconfundível também foi parar no material publicitário do remake da novela “Gabriela”, da Rede Globo.

Em 2010, o cantor Danilo Caymmi teve cenário feito por Ivonesyo Ramos e durante o Sarau Repsol, elogiou: “Aquarela é igual ao vatapá: tem de ser de primeira, não se pode errar!”. E Ivonesyo tem marcado seu nome em relevantes participações. Entre elas, foi palestrante convidado no II Encontro de Aquarelistas em Paraty, onde seu traço ganhou distinção de Frank Francese, aquarelista americano que é Top Ten Instructor USA; participou da mostra de Canaletto Fundação Thyssen Bornemisza em Madri; e ganhou o Premio Júri popular Fundação Margareth Mee, com exposição no Museu Nacional de Belas Artes.

Paisagem e paisagista sistematicamente se confundem. Ivonesyo gosta de sair pela cidade e pintar in loco, transcendendo as paredes do ateliê e fazendo a aquarela direto da natureza. “O outdoor é meu escritório, onde tenho concentração maior. O que mexe comigo é o que acontece na rua. A aquarela para mim é muito mais que um meio de expressão, ela é uma filosofia de vida”, revela o artista plástico carioca.

21.6.12

Sabe...

Meu horário é um pouco alternativo demais para as demandas do mundo:

Havendo silêncio, funciono muito bem de 17 horas até uma da manhã.

Minha produção é intensa nesse período. Veja bem, não é questão de ser notívaga. 

Sou afternoon delight! rs

Passou de uma da manhã... Olhinhos chineses na área. E o quero cama Mode On.

A culpa chega como ressaca

 

De perto ninguém é normal. Está no dito popular, está na letra de "Vaca Profana" do Caetano Veloso, está em um dos livros/estudos da antropóloga Mirian Goldenberg. Está ai, na vida, rolando nossos caminhos para a gente notar as particularidades dessa verdade absoluta. Amiga 1 diz: "Já conversei com a minha terapeuta sobre você. A conclusão é que você esconde das pessoas o seu lado ruim". Eu ri. Quem não? Acho que muitas das nossas neuras deveriam se manifestar apenas no espaço doméstico/privado para um bem comum e alívio da maioria. Por dentro, eu não sou mesmo normal, mas não fujo da normalidade na minha conduta cotidiana (ok, as vezes gosto da coisa de ser excêntrica, mas é mais um detalhe da minha personalidade, o id do meu aparelho psíquico gritando). E deveria? Só se quisesse e não fosse presa por isso. Atentado ao pudor é coisa que está em voga. Não eu. Eu não.

Antes dela, Amigo 2 uma vez me disse: "No blog você está muitas vezes chateada, irritada ou falando de mau humor... Só que eu nunca te vi assim". Sorte a dele? Será? Em blog ninguém é normal. E isso nem faz mal, pelo contrário, liberta! Mas ainda acho que muitas das nossas neuras deveriam se manifestar apenas no espaço doméstico/privado, restrito, para um bem comum e alívio geral da nação de amigos e companheiros de jornada. O mundo já é tão cheio de seus pormenores, idiossincrasias e ansiedades urbanas demasiadas, que não serei eu a querer fazer do ouvido e dos olhos dos demais o divã das minhas inconstâncias e vicissitudes. Há amigos mais chegados e médicos especializados para isso, não é verdade?

Mas eu tenho um lado de certa forma cruel, que vai de encontro com o que disse a Amiga 1, e que me deixa muito aborrecida, que desarma a teoria do Amigo 2. Minha desorganização de tempo - e as unidades dele que eu gasto em pensamento, ruminando assuntos - faz com que eu acabe deixando de lado fatos importantes da vida em sociedade. Tenho um pouco de misantropia talvez, como é comum a muitos escritores, mas acho que estar tão desligada dos acontecimentos da "vida alheia" é mais um traço de quem não vê a vida passar, porque não tem muita habilidade de organizar as tais unidades de tempo (prático)

Exemplo categorizado: no fim de semana liguei para a Amiga 3 para perguntar como estava a gravidez (para mim ainda era o segundo trimestre). Ela disse que nasceria "depois de amanhã". No dia "depois de amanhã", o pai da criança me liga e eu pergunto: "já nasceu?". "Não! Era à noite, lembra?". Eu lembrava que era terça à noite sim, mas não lembrava que aquele dia era uma terça (fiz a loka?). Ele só me avisava da visita, hoje. 

Eu fui? Não. 
Eu liguei? Não. 
Eu lembrei? Em vários pequenos momentos do dia. 
Mas só agora, passada uma da manhã, a culpa me chega, como uma grande ressaca da qual nada posso fazer. E olha que nem pude degustar das taças antes. 

Fuín... 

19.6.12

Fala Adélia

Uma ode à Adélia Prado e seus bonitos dizeres. 


"Assim que escurecer vou namorar.
Que mundo ordenado e bom!
Namorar quem?
Minha alma nasceu desposada
com um marido invisível." 


"A vida é muito bonita,
basta um beijo
e a delicada engrenagem movimenta-se,
uma necessidade cósmica nos protege.” 


"Sofro por causa do meu espírito de colecionador-arqueólogo.
Quero pôr o bonito numa caixa com chave
para abrir de vez em quando e olhar." 


"Tudo que a memória amou já ficou eterno." 


"Tudo manha, truque, engenho: é descuidar, o amor te pega, te come, te molha todo. Mas água o amor não é."



"Para o desejo do meu coração, o mar é uma gota."

Poesia FG

"Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.


Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza 

e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.


Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.


Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.


Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão de vida ou morte -
será arte?


[Ferreira Gullar]

18.6.12

Soltas



Almoço: alface com queijo ralado, legumes e peito de peru. Alguns copos de coca zero e uma xícara de café depois, fui malhar. enjoo, enjoo, enjoo. nada de arroz hoje e nem de pão. mesmo que eu só coma pão diet. Glicose antes da esteira = 192 / Glicose pós 1/2h de esteira = 100. Ou seja, a insulina rápida engorda, é um fato/fardo, mas a preguiça ainda é mais prejudicial à saúde. Que triste.


Ainda não lanchei. É melhor ir comer algo, enquanto o metabolismo está bombando do exercício. Odeio esse papo 'geração saúde', mas meio que sem tê-lo, como sabê-lo?


Volto já 


***
Podem me tirar tudo, eu acho, menos a cafeína. Sinto dores de cabeça e pelo corpo se fico sem café e/ou Coca Zero. Acho até que minha reflexão neural (termo cunhado da Dida) fica comprometida.


***


Se encontrar amigos, como a escritora Cecilia Vasconcellos, já não fosse um programa extraordinário... Encontrá-la para ir ao teatro, assistir a um musical de amigos, patrocinado por ela é o que? Superfantástico? Intergalático? Proparoxítona? Aguardem...


***
Voltando ao primeiro assunto, eu não estou de dieta. Essa palavra não harmoniza muito bem com a minha vida, embora seja necessária (a mim, a todos até, em algum momento). Só que ontem comi um pacote pequeno de Doritos azul e, mais tarde, um saco de pipoca de microondas. Era domingo e eu estava trabalhando feito louca no computador. Falhei miseravelmente no Medida Certa, mas fiz umas 12 páginas de coisas para entregar na faculdade. Ou seja, no dia seguinte é preciso maneirar...


Então, além de comer melhor, fui para a esteira. enjoo, enjoo, enjoo. O curioso é que estou tão cheia de coisas que preciso pensar, mas na esteira não consigo pensar em NADA que preste. Não dessa vez. O tempo passando arrastado que nem as músicas do ipod me davam consolo. Na sexta-feira, ao contrário, me flagrei cantando alto. hohoho #mico! The Voice na academia...   


O bom é nunca ter vergonha de ser você, quem você é na essência. Mesmo que a sua versão, raça, estirpe, fabricação ou modelo seja bem maluquinho. Não chega a ser vergonha alheia, claro. 


***
Meus programas favoritos atualmente:
Bigest Loser - está me animando a malhar!
Enigmas da Medicina - tem sempre alguém pior que eu...
Encantador de Cães - cachorrinhos!
Pit Boss - Um reality comandado por um anão encrenqueiro que resgata pitbulls e tem uma agência que oferece anões para o showbizz - dispensa considerações! hahahaha
House - como viver sem? Tá acabando, mas amo ate as reprises
Esquadrão da Moda - AMO Stacey and Clinton
E os nerds da Warner :) :) The Big Bang Theory, é isso, né? - Leonard é meu número!
E o meu preferido, at all, Law & Order SVU - mesmo sem o gato dos gatos na nova temporada
Tem uns de decoração também, mas não é sempre que me pegam. 


Ou seja: há um liquidificar mental na minha caixa craniana!


Sem mais...

17.6.12

auto-retrato



fim de noite
fim de semana
fim de domingo
fim de período

poesia

Por hora 
ficam em nós
Olhos vadios
Varados 
pela madrugada
sem consolo
sem paz
sem nada


[Bia Amorim]

Li por ai

"O verdadeiro charme das pessoas reside em quando elas perdem as estribeiras, quando não sabem muito bem em que ponto estão. Não são pessoas que desmoronam, pelo contrário, nunca desmoronam. Mas se não captar a pequena marca de loucura de alguém não pode gostar desse alguém. Não pode gostar dele. É exatamente este lado que interessa. E todos nós somos meios dementes. Se não captar o ponto de demência de uma pessoa, eu temo que... Aliás, fico feliz em constatar que o ponto de demência de alguém seja a fonte de seu charme." 


[Gilles Deleuze - L'abécédaire]


"O peso de sentir! O peso de ter que sentir!" 
[Fernando Pessoa]


"Botox não cura mágoa de ninguém"
[dermatologista Jardis Volpe]

16.6.12

poesia

Não gostei muito dessa poesia - ainda - não. Vou escrever, do contrário, perco ou esqueço. Talvez precise de uma retrabalhada, de um final mais efusivo, mas... Foi assim que saiu, de primeira. Um parto com complicações. rs


Cavaleiro errante
Que vagueia entre as coxas
serpenteia o quadril de moças
Elegantes
Em rompantes febris
no vai e vem dos quadris
Vibrantes
Cavaleiro mesquinho
que cavalga sozinho
por estradas diletantes
busca a aurora, 
madrugada pungente
o orvalho latente
a manhã encantada
Cavaleiro sem paz
que não se satisfaz
com encontro mesquinho
Não se nega ao carinho
Não se entrega correndo
corre os dedos pelas formas
e transforma a sequencia
inconsequente
num ato latente
que renova.

15.6.12

#Juro!
Estou dando defeito nesse fim de semestre...
Acho que não vai dar
medo.com

Vale a pena ver...

Pensamento & Frase

- Significados e significantes... 
- Sou transparente pra você até quando escrevo uma só palavra. Amo você!
- "Uma palavra não te define e nem te qualifica, mas classifica um sintoma, passageiro ou nem tanto."
[Bia Amorim
:)

Ouvi por ai

"Você é um anjo ortográfico"
:)

Valei-me anjo da ergométrica!





Houve uma época na vida do Professor Xéu em que ele estava bem gordinho. Não muito, mas cheiinho, digamos assim. Fomos à praia e ele reclamava da boinha natural nas laterais do quadril. Tempos depois, voltamos à praia juntos e ele já estava todo orgulhoso: magrelo, depois de perder o excesso seguindo rigidamente a dieta dos Vigilantes do Peso.


Pois bem, nada do que é rígido dura ou funciona por muito tempo para a maioria dos mortais (e apreciadores do bom prato). E não, ele não engordou tudo de novo... Mas poderia, porque fatalmente voltou a comer (bem). Hábito que apreciamos deveras! hehehe Mas... Professor Xéu encontrou uma nova filosofia de vida na academia.


A frequência não é lá espartana, mas quando ele lá está, investe na questão. O fato é que já vai para mais de ano na academia e os músculos não inflacionaram como deveriam. Ou se suporia. Ou se esperaria deles. O motivo não é mistério e nem segredo: a farra gastronômica rola solta toda vez que se faz necessário. Ou surge um convite, hehehe. Daí que ele solta a melhor máxima de todas, toda vez que é confrontado:


"Eu malho para poder comer e não para ficar fortinho"


Não é tudo nessa vida? hahahahahha Cada um com seu cada um, certo? Totalmente aplicável aos nossos dias... #Valei-me anjo da ergométrica!

13.6.12

Reflexões sobre 12 de junho


Ontem :)


"O sistema é mau, mas minha turma é legal"


"Acho graça na beleza". A do lugar onde eu estava. A estética inspira também.


Adianta malhar, se comer é um prazer único?


Notei um aspecto interessante para o que esperam de um "Dia dos Namorados". Resolvemos pedir pizza, ficar em casa, tomar um vinho e evitar os lugares lotados de gente que arrulha. Nhé. O prazo mínimo de entrega de 1 pizza simples era de uma hora e meia. Sem chance de esperar, estando a 300 metros de um shopping. Estava de mãos dadas com a fome. Fato. Mesmo com medo das filas, fomos. Tchum! Surpresa: praça de alimentação vazia. Não totalmente vazia, tipo cidade fantasma, mas socialmente habitável. Já era tarde para o horário do shopping, passava das 21 horas (as 22 invariavelmente fecha). Então vieram as teorias:


- Dia dos Namorados merece um restaurante mais respeitável;


- Para evitar imprevistos nada românticos, os namorados optaram por uma "comidinha" caseira;


- Como é dia de semana e o shopping fecha num horário meio infantil, os namorados devem ter jantado mais cedo, para então partir para o abraço (com todos os trocadilhos possíveis, por favor);


- Quem resolveu sair, preferiu arriscar enfrentar a fila do motel, que a fila do restaurante. Até porque, comer por comer...


O último item não é exagero. Amiga minha já ficou em fila de motel no Dia dos Namorados. Para passar o tempo e matar a fome, eles passaram antes no McDonald's e pediram um lanche para viagem. Tudo muito romântico. A turma que trabalha em motel tem que fazer hora extra no dia 12 de junho, né? O mínimo que o consumidor exigiria numa situação dessas era a troca do lençóis, certo? Eca! hahahahaha Maratona da troca de lençóis e trepadas com taxímetro são eventos da sociedade moderna a serem analisados. 


PS: a depiladora é outra profissional que se faz nessa semana em específico. Vai tentar marcar hora?   É tão complicado quanto acertas os números da quina!

12.6.12

pensamento


pic


pic


"Só hoje..."

11.6.12

Tirinhas


Bocadinho de amor



Se colocar no lugar do outro. Uma premissa que a gente deve seguir para viver bem, evoluir como seres humanos. Um desafio insondável. Uma das tarefas mais difíceis. Somos ególatras.  A cada dia mais a sociedade e seus mecanismos nos empurram para essa condição. E alguns de nós nadam contra a maré para o bem comum. Para que tenhamos a possibilidade de respirar. E inspirar vidas.


Estou tentando me colocar no lugar de uma prima. Minha tia de 90 anos está internada no hospital em estado crítico. Fico pensando no que dizer para ela? Como é que se faz para alcançar um coração com as mãos? Não posso imaginar o que ela está sentindo agora. Não posso. Não posso, porque as dores são pessoais e intransferíveis. Carregadas de personalismo e outros temperos com a que a vida nos doura. Não posso, porque ando muito suscetível à dor. Portanto, é o não posso egocêntrico: não quero. Ou não devo, porque evita uma série de outras situações.


Pensei na minha própria mãe. Gostaria de estar forte para ela se a minha tia se for. Gostaria de estar forte para mim, se mais esse adeus eu tiver que dar. Pensei na minha mãe, porque se fosse a minha despedida dela... Nossa, nem pensei. Nem penso. Dói. E o que dizer para a minha prima? De que maneira posso me colocar no lugar dela? De que maneira você pode se colocar no lugar do outro?


Gosto de pensar naquela alegoria do passarinho, que sozinho tentava acabar com o incêndio na floresta, carregando pouquinhos de água no seu bico. E o elefante pergunta: o que você está fazendo? Acha que você, tão pequeno, pode contra esse incêndio. E o passarinho diz: sozinho não poderia, mas pelo menos estou fazendo a minha parte. Qual a nossa parte nesse todo? A minha parte com a minha prima é me mostrar junto, disponível, interessada, solidária... É oferecer carinho, mesmo de longe, porque a força do poder curativo de um carinho não conhece limites e nem se limita com as limitações impostas. É sair do centro do nosso egoísmo e habitar a periferia da vida de muitos, levando no bico nosso bocadinho de amor.  

10.6.12

song

Ê vida, vida, que amor brincadeira, à vera

Eles se amaram de qualquer maneira, à vera

Qualquer maneira de amor vale à pena
Qualquer maneira de amor vale amar

Pena, que pena, que coisa bonita, diga
Qual a palavra que nunca foi dita, diga
Qualquer maneira de amor vale aquela 


Qualquer maneira de amor vale
amar 


Qualquer maneira de amor vale
à pena 


Qualquer maneira de amor
valerá

Eles partiram por outros assuntos, muitos
Mas no meu canto estarão sempre juntos, muito

Qualquer maneira que eu cante este canto
Qualquer maneira me vale cantar

Eles se amam de qualquer maneira, à vera
Eles se amam é prá vida inteira, à vera

Qualquer maneira de amor vale o canto
Qualquer maneira me vale cantar
Qualquer maneira de amor vale aquela
Qualquer maneira de amor valerá
[paula e bebeto]
# Dia dos Namorados

songs

Caso do acaso 

Bem marcado em cartas de tarô 
Meu amor, esse amor 
De cartas claras sobre a mesa 
É assim 
Signo do destino 
Que surpresa ele nos preparou
#Dia dos Namorados

9.6.12

l'amour du pénis



Pois é, terça -feira é aquele dia que quem está apaixonado quer lembrar e quem está sozinho tenta esquecer (em vão). Qual não foi a minha surpresa ao notar que acabou a dicotomia. E isso é oficial. Claro, me senti retrógrada, mas me animei com a história por trás dos fatos. Vamos a ela.


Amiga minha, toda faceira, postou uma foto do tênis que ganhou pelo Dia dos Namorados. Do Namorado? Não. Do marido, então? No, no, no. De um 'peguete', querendo animar as coisas? Menos ainda. Ela ganhou, frisando: pela data, um presente do seu P.A. (para os leigos e com DNA - data de nascimento antiga -, o bom e velho'pau amigo'). E cunhou a célebre frase:

‎"P.A. também é amor" 

[Iva Oliveira]
Oe? MA-RA-VI-LHO-SA, né? Gosto de gente que nem precisa de muito para ser feliz. Fiquei com vergonha de colocar o crédito, mas ela deu carta branca com uma explicação ainda melhor: 

"Pode dar o crédito sim (rs)! Com orgulho: sou uma mulher moderna"
[Iva Oliveira

Demais. Evoca um questionamento empírico da minha criação puritana e me faz ver a mulher além. Minhas amigas me fazem rasgar o véu da obscurecência e notar que por mais que certas coisas não caibam diante das minhas escolhas, não quer dizer que elas não existam ou devam permanecer ocultas aos demais. Não que eu não soubesse da existência de um P.A. (há há), não que eu ache estranho a prática (hohoho)... Mas é interessante notar que até o ato de ter um P.A. envolve questões relacionais que suscitam carinho (eu encarava mais como uma questão utilitária até, sabe?). Ela corrobora: 

"Não existe nenhum tipo de relação em que não haja nenhum tipo de carinho. E carinho é um tipo de amor!  Como diria um amigo: já viu alguém transar com inimigo? (rs)"
[Iva Oliveira]

Para ficar numa coisa bem francesa, Paris é um local intimamente ligado aos apaixonados:

"Está oficialmente aberta a temporada de l'amour du pénis (com biquinho, por favor!)"
[Bia Amorim

Na estante da Bibi

Depois de saborear um LFV, decidi que leria outras coisas. Mas sou movida por paixão (ou paixões) e fui fisgada por um romance de John Le Carré chamado "Nosso Fiel Traidor". Gostei de cara e toda noite é ele que me prepara para sonhar. Há tempos não lia um bom 'romanção', sabe como é?

Fui pesquisar um pouquinho do autor e uma frase sobre ele me chamou atenção: "A profundidade humana, a complexidade política e moral, assim como a inteligência dos enredos levaram-no a ser considerado o autor de espionagem mais literário e filosófico do século XX". Legal, que é um ex-espião escrevendo com profundidade intelectual sobre o tema. Estou gostando bastante...




É dele também "O Alfaiate do Panamá""O Espião que Sabia Demais" e "O Jardineiro Fiel", obra que ele também ajudou a adaptar para o cinema, que ganhou a direção do nosso Fernando Meirelles. "A Casa da Rússia", que eu só lembro de images do filme com Sean Connery (aquele pedaço de mau caminho até hoje), também é dele. Ou seja: como eu não tinha lido nada dele ainda? (ok, se fosse levar essa frase a sério, repetiria ela muitas e muitas vezes).

Frio Fofura


Ai minha gente que frio é esse que anda fazendo no Rio? 
De meias all day long
Enquanto isso, logo ali em SP: Frio Fofura. 
Estrelando: Dona Gostosa
Tia Bibi tá doida para abraçar esse ursinho de pelúcia vivo!
Nhac!

8.6.12

poesia


Ao apagar das luzes
lua alta, sonho em riste
vamos despindo a fantasia
de uma noite sem sonhos
com sons
Mão tremulantes em afago certo
sorriso aberto
momento incerto de magia
a dourar o pensamento.
Tudo é claro, é energia
beijos comburentes
combustível que sacia
cura dores, move mágoas
que se entrega nessa entrega
que deságua
e desnuda
intenções translúcidas
transfigurada anarquia.
até raiar o dia


[Bia Amorim]

Fato


Poema em Linha Reta


[Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)]

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?


Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

***
As pessoas do Facebook não nos parecem  bem assim?