31.12.12

pensamento

 Eu na Acrópole - Grécia/2012

"Gosto desse clima de esperança que nos envolve a todos no Ano Novo, mas, afinal, é só uma contagem de tempo no calendário, na vida. Não é o ano que muda, nós é que temos a oportunidade de mudar. Hoje, amanhã e enquanto vida houver. Mas, bora lá comemorar que é bom"

[Bia Amorim]

29.12.12

Eu tenho fé na vida


Divagações. Não de final de ano, mas de final dos tempos. Do encerramento certo, mas assustador das coisas. A vida é transitória e vem nos lembrar disso a cada ano que passa com uma constância mais urgente. Perder é parte do jogo. Sabemos. Aprendemos a ganhar e a perder desde a mais tenra idade. "É parte inequívoca da vida", filosofamos internamente para alcançar compreensão. 

Quando somos crianças, perder tem um sentido bem diferente daquele que se apresenta depois que a vida passa a ensinar de forma mais latente e inteligível. Quando sentimentos quase ganham formas e ocupam espaços. Nuvens da alma. Então, a cada ano que passa perdemos mais (porque ganhamos mais, em contrapartida). Nos consolamos com perdas pequenas. Nos entristecemos deveras com perda de entes queridos; familiares que já estavam na estrada quando a gente pintou no pedaço. 

E é então, perdemos nossos semelhantes... E isso abala de forma profunda e diferente o nosso sistema, nossos códigos. A cada ano que passa dizemos mais e mais 'adeus' a quem amamos. A velhice é sábia, mas cobra um preço diferente também. Muitas armas para o caminhar mais simples; mas muitas palavras de "adeus". Ou até breve, para quem assim crê.

E quando morre alguém que subverte o caminho natural da existência? Morrem-se os novos. Morrem-se os que mal começaram a caminhar. E parecem levar consigo um pedacinho da esperança, mas não. Cumprem seu curso. Dão adeus à existência como conhecemos. Inteligivelmente. Deixam seus feitos, seus aromas, sua missão completa, embora nos pareça tão incompleta. Tão cheia de compartimentos ainda ajustáveis e blocos a serem preenchidos. O tão cheio de vida que jaz sem vida. O tempo é implacável e a gente perde tempo com o tempo X que nos é dado e nunca revelado. 

Também perdem os que de alguma maneira permitimos que deixem marca nas nossas vidas. Ninguém é uma ilha. Viver também é um ato irrevogável. A fé pressupõem risco e viver é um ato de fé. Quiçá a fé no dia seguinte. E tão mais para quem ousa crer...
 
O dia seguinte não veio para Rebecca. Vinte e um anos, casada há pouco tempo. Tudo na vida dela parecia funcionar no módulo acelerado. Rebecca veio para celebrar a vida e vivê-la intensamente. Aos grandes goles. No dia 23/12 quebrou o pé. Na véspera de Natal caiu morta em meio à ceia. Trombose. Irremediável. Devastados pais, marido, família, amigos. É um choque. É parte do jogo para o qual a gente não está pronto. Vejo familiares na 'quarta' idade sofrendo por todos que se foram. Vivendo sim, com bastante galhardia até os dias que se apresentam. Mas com aquela mancha estranha de se sentir só e esperar pelo dia que não se sabe qual é (deixados para trás)... E lá foi Rebecca brilhar no céu, achando que tinha toda a vida pela frente. 

Dias depois, outra amiga, Paty, entrou sem saber pela contramão e foi atingida de frente por um caminhão. Ela agora celebra sua nova data de nascimento: 28/12. Viva. Moleca. Pronta para fazer igual o que era bom e diferente aquilo que não valia  apena. Pronta para cometer erros e acertos, porque disso somos feitos (todos nós). Viver é um ato de fé e eu tenho fé no Deus que concede a vida. Eu tenho fé na vida. E com a fé estão interligadas a esperança e o amor. Vamos semear em 2013 a fé numa vida melhor, cheia de amor e esperança.      

pic



27.12.12

News

Para quem acompanha as matérias:

Lingerie colorida? Que nada! Mechas nos fios para os desejos de réveillon 

Veja como é simples seguir o passo a passo para fazer mechas coloridas e mudar o visual no Ano Novo

Gwyneth Paltrow estrela campanha de marca de cosméticos

Drew Barrymore vai lançar linha de cosméticos

 

Frase

"Tem gente que acha brega colocar a foto com o namorado no perfil do Facebook. Não os culpo e nem os julgo. Sei bem que os apaixonados são ridículos e se assim me sinto, serei fiel aos princípios quase coletivos do amor. ♥. Coerente com os anseios do meu ego, quando domado. Bora viver todas as fases e que Deus nos guarde de (ou quando vier a fase de) lamber limão descabelada na escadaria. Ou algo assim" 

[Bia Amorim]

25.12.12

Boas dicas

 Carlos Cubi / Casa e Jardim

Grande ideia a do quadro :) Minha cara, mas eu jamais faria as mãos de forma tão perfeita. Uma vez fiz um trabalho de arte sobre a minha mão no papel, mas cada dedo era um desejo e um sentimento. Ficou interessante, mas esteticamente estranho. Cada um com a sua arte, certo? Minhas linhas sempre forma as escritas e não as traçadas. Mas fica uma dica ótima. Quem sabe um dia?

23.12.12

E tenho dito!


X-Mas

 
 
HO HO HO
 
 
 

21.12.12

News


Minha matéria com a Fernanda Pontes para o EGO (Aqui) e (Aqui)

Li por ai

Do dramaturgo norte-americano Edward Albee uma sábia verdade:

"Quem não foi ferido pela vida ainda não viveu."
 

20.12.12

Fim de ano

Enquanto isso... No Amigo Oculto da Firma :

Olha quem apareceu?!
Onde estou? Atrás das câmeras :)

19.12.12

pic

Bibi em Corinto
Grécia, 2012

frase


"Queria ser fitness, mas nasci 'foodness'"

[Bia Amorim]

***
Comecei a trabalhar e quando isso acontece, fato: a gente passa a se alimentar de forma diferente. Horas e horas sentada e o corpo estranha. Tento não beliscar, mas a tarefa é hercúlea! Levo frutas. Mas duas horas sentada no trânsito. Pelo menos, dirigindo você perde mais calorias que de busão. Quer dizer... Depende da posição de cada um dos indivíduos supracitados.

Há quem engorde quando fica em casa. Eu não. É quando consigo manter meu peso. Veja bem: manter! Não digo: perder! Isso já dependeria de muitos outros fatores que envolvem temperatura e pressão. Na rua, meu corpo estranha a alimentação. Tem digestão lenta. Passo mal.

Estava pensando num cachorro-quente, quando entrei na garagem e vi meu vizinho absurdamente suado, pulando corda. Ele: fininho. Eu: sinuosa (eufemismo bacanudo, heim!?). Pensei: meu chip veio trocado, não é possível!. 

A sorte: não como doces a vontade, coisas gordurosas me enjoam, como salada por prazer e não obrigação, evito massas por paladar e não restrição, não sou louca por pão e bebidas alcoólicas não me seduzem. O azar? Síndrome metabólica, babe!  Minha médica diz que eu gosto de comida que brilha. Glam na veia!

Ok. Cada um lidando com seus males da modernidade. Compulsão, estresse, tireóide, sedentarismo, medicação, genética. Cada um com um "defeito/efeito" para chamar de seu. Cada um abraçado com a sua dificuldade. Todos nós engordando... E eu na janela da vida babando por aqueles que vieram com o chip do "fitness" mode on! 

Gente como a gente


AMO
AMO 
AMO
Alessandra Ambrósio!
Gente como a gente, apesar de belíssima.
#Fashion Bug OUT!

Santa in Rio

O calor está de matar! 
Papai Noel do/no Brasil seria assim, para ficar coerente!

17.12.12

News inc

E-mail recebido hoje, depois da matéria publicada de ontem. A alegria se esconde em meio a pequenos gestos. Como esse, que enchem de graça a minha tapeçaria:

"Eu adorei este artigo (AQUI): é divertido e fácil de ler! e honra minhas duas culturas: Rússia e Brasil :)  Bia, muito obrigado por ser tao querida e interpretar as minhas palavras com tal facilidade e luz :)) muitos beijos e obrigada novamente por seu talento para escrever!
Elena Sopova"

Fofura, não é?
Pode parecer vaidade e não deixa de ser um pouco, para tratar bem a minha self-estima. Mas acima de tudo, reparto com quem me companha e sabe que meu castelinho não é casa projetada, mas uma construção de pequenas pedrinhas de grande valor pessoal. Gosto de pensar que escrevi algo que fez bem a alguém. Palavras são drops, que refrescam a alma.

Boa noite!

li por ai


"Imagens e aparências dizem pouco. 
O lado de dentro é maior que o lado de fora 
quando seus olhos estão prontos para ver" 

- A Travessia [William P. Young]

16.12.12

NHAC!

Menina, brinque com a comida!





Dona Gostosa tem uma vida feliz!

News

Assim como pra nós, brasileiros, parece difícil aprender a falar russo; a recíproca deve ser bem verdadeira, né? Mesmo ainda tendo um pouquinho de sotaque, o que brinda a fala com um charme original, Elena Sapova manda bem na conversação. Moça linda e simpática. Advogada com doutorado nos "states". Modelo com uma bela participação em "Os Penetras", na língua mãe, claro. Bora lá ver minha matéria de beleza com a russa (aqui).

:)




Ellen Oléria



Livros

Sem tempo total!
Achei até que tivesse perdido a mão na escrita...
Ando lendo, pelo menos.
Só esse mês foram três!

# A Queda - Diogo Mainardi
# Agora e Sempre - Autobiografia da Diane Keaton
# A Travessia - William P. Young

Considerações:

O livro do Mainardi tem uma configuração diferente. Não é em estilo de romance. São drops de informações jogadas em estilo associativo. Ele mescla percepções dele com a vida do filho, Tito, que sofre de paralisia cerebral em função de erro médico na hora do parto. Não há nada de piegas ou sentimentalóide no discurso. Mas é lindo ver um pai durão se derretendo pela cria em certos momentos. A falta de fluência no texto foi algo que me perturbou um pouco e a tremenda erudição em certas associações ficou, confesso, um pouco além das minhas possibilidades.

Diane Keaton fez uma associação bárbara entre a história dela e a da mãe, que era 'viciada' em escrever diários desde sempre. Achei uma oportunidade bonita da autora conseguir fazer esse paralelo entre as histórias. Diane foi esperta num outro sentido: fala sobre as coisas da sua vida, mas quando pode, se esquiva dos detalhes. Esse é o lado bom para um autor que escreve sua própria biografia. Eu queria ouvir mais sobre sua bulimia ou sobre seus amores com Al Pacino e Warren Beatty. Claro, ela fala sobre isso, cita momentos muito graciosos. Mas acho mesmo que ela se aprofunda um pouco mais na história com Woody Allen - seu amigo até os dias de hoje. No mais, uma escrita rica, bonita de se ler. O livro te agarra. Eu amo biografias, sou suspeita. Ainda me falta a da Jane Fonda. Como diz minha amiga Vevê: "já virou lenda na sua vida esse livro" hahahahha

A Travessia é o livro de cabeceira da vez. É do mesmo autor de "A Cabana". Se não gostou do primeiro, dificilmente se encantará por esse novo. William P. Young inaugurou um novo estilo literário em "A Cabana". Não se enquadrava em religioso ou auto-ajuda. Foi rejeitado por várias editoras pela difícil classificação. Pois bem, vendeu 18 milhões de exemplares e trouxe uns aproveitadores a reboque, que tentaram explicar o livro, vendendo outros tantos no rastro do cometa. "A Travessia" segue o mesmo estilo confessional. Nos leva à reflexão sobre a nossa existência, quando nos colocamos de alguma maneira na vida do protagonista. Você que leu "A Cabana", fica meio sabendo o que vai acontecer. Não nos fatos, mas na temática. Ainda estou na metade, espero por surpresas. Mas já tive em suas linhas, belas palavras, lindas lições. Não é uma obra para ser lida de bate-pronto. Tento degustar a sabedoria das entrelinhas. É um livro que fala de Deus explicitamente, mas foge a doutrinas. Ele aborda relacionamentos, comunhão.

Esperando meu salário entrar para fazer novas aquisições. "One Broke Girl" - Esse é meu seriado atual! hahahahahhaaha     

Dezembro

Coisas que me irritam em dezembro:

# Não o verão, mas o calor 'senegalês' que nos deixa ensopados;
# O trânsito insuportvel;
# As músicas natalinas em todas as lojas e supermercados e afins;
# A música da Simone "Então É Natal..."- já deu, né, gente?;
# As caixinhas que TODOS os funcionários pedem - eu não tenho caixinha e nem 13º;
# A árvore da Lagoa e a falta de estrutura para receber quem se interessa por ela;
# Preços inflacionados no geral;
# Shopping abarrotado de gente, lotação máxima, estresse;
# Praias sem espaço nem para a sua cadeirinha. Vaga então? Luxo;
# Morro de pena dos perus/aves de Natal - consumo punk;
# A comercialização no lugar da real comemoração;
# As pessoas vestidas de Papai Noel nesse calor - sofro só de olhar para elas;
# Amigo Oculto - trauma, odeio!
# Festinhas de fim de ano da firma e de qualquer agremiação que você faça parte;
# Restaurantes lotados;
# Consumo de álcool excessivo;
# Retrospectivas (só curto a da GLOBO, nunca perco) e programas que nos fazem chorar;
# Filmes de Natal em todos os canais;
# Pacotes de viagem inflacionados;
# Ter que dar presente;
# Saudade dos que não estão por perto ;

Não é um post de mau humor. É só um desabafo realista e muitos devem concordar em pelo menos três ou quatro itens. Não posso mudar muito do que foi estabelecido, mas posso registrar a minha indignação e criar um coro que alerta para soluções possíveis e viáveis. Exemplo? Por que não há mais estacionamento em volta da Lagoa, se a árvore se tornou uma tradição? Por que não criar um melhor escoamento do trânsito? Por que se não contribuo com a caixinha, sou taxada de "ruim"? Por que as pessoas tem que se vestir de Papai Noel no Rio de Janeiro? No Brasil? Não poderia haver uma vestimenta tropical do bom velhinho? hahahahahhaa OK, nessa eu dei uma forçada! 

Mas tem coisas apaixonantes no fim do ano também. Faça a sua lista!

The Voice Brasil

Hoje é a final do The Voice Brasil. Amei esse programa, que mistura música, interpretação, carisma e sensibilidade. Fico triste com o fim e apreensiva com a escolha do público. Essa preferência pouco tem a ver com critérios técnicos. Ela é movida a paixão, encantamento, a tal da emoção. Nem é que vença o melhor, porque isso seria injustiça: todos são incríveis. Que vença então, a opção de qualidade por bons programas. Já tenho saudade do The Voice Brasil :)

Ju - vencendo no carisma, sorriso e beleza
Késia - vencendo no charme e glamour. Bela voz.
Liah - vencendo na inovação e beleza. Bela voz tb.
Lud - vencendo na garra, na alegria, no improviso. Povão, faria sucesso no mercado.
Maria - vencendo de virada, na garra, na entrega.
Thalita - Muito boa, técnica perfeita, mas falta carisma e encantamento.
Danilo - the last boy. Fez seu papel direitinho.
Ellen - Minha preferida desde a primeira canção. Voz, técnica e emoção.

12.12.12

Poesia, musa

Hoje conheci uma das musas do Chacal.
Então resolvi encerrar a noite com uma poesia dele:

PRIMEIRO EU QUERO FALAR DE AMOR

meu amor se esparrama na grama
meu amor se esparrama na cama
meu amor se espreguiça
meu amor deita e rola no planeta

[Chacal]

O dia em imagens




Bem, nem tudo é o que parece. Mas parece que foi bom... De certa forma, foi. Mas teve o lado 'dureza', certamente. Toda queimada, só que com a marca da camiseta. #Esse é meu mundo: quase sempre visto de fora :) A última foto foi a minha homanagem ao Fim do Mundo: "enquanto o fim do mundo Maia não vem". O Rio é lindo e o nwe job, amores, é puxado! Tem valido cada esforço!

Letras

Trilha para hoje: Marisa Monte

E no meio de tanta gente eu encontrei você
Entre tanta gente chata sem nenhuma graça, você veio
E eu que pensava que não ia me apaixonar
Nunca mais na vida


Eu podia ficar feio só perdido
Mas com você eu fico muito mais bonito
Mais esperto
E podia estar tudo agora dando errado pra mim
Mas com você dá certo


Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais
Por isso não vá, não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais


Eu podia estar sofrendo caído por aí
Mas com você eu fico muito mais feliz
Mais desperto
Eu podia estar agora sem você
Mas eu não quero, não quero


Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais
Por isso não vá, não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais

11.12.12

News

Oba!

Minha primeira matéria de BELEZA no ar! (AQUI)
Parece algo simples, mas é cheia de detalhes que temos que apurar. E justamente por isso um desafio "delicioso". Como uma costura de vários materias para formar uma obra, uma roupa customizada. Agradecimento especial ao Ton Reis, que além de MUITO talentoso, é um amor de pessoa: tranquilo, seguro, educado, generoso.

Curtam lá, Amores :) 

9.12.12

pra posteridade

Esse post é irmão de um que coloquei aqui contando sobre meu primeiro livro. Então, quis ilustrar que omeu nome está lá! Mesmo que ele nãová ser vendido, é comemorativo, foi um prazer diferente, coletivo, como tudo o que eu gosto de fazer. Um dos meus nomes/pseudônimos lá assinado.

Uma boa novidade para fechar a retrospectiva do meu ano, não é?

* Novos amigos
* Viagens para 10 países e +
* Novo amor
* Novo emprego
* Sonho do livro (coletivo, ainda)
* Reviravolta na saúde
* Encontro da Família
* Viagem com os amigos mais chegados
* Poesia 
* Dona Gostosa
* Faculdade no primeiro semestre

Esse ano só não andei de Montanha Russa. E isso, particularmente, é uma lástima. Quem sabe não está chegando a época de corrigir esse lapso!? rs


 


Nossos amores


Essa foto belíssima é do meu querido amigo Jorge Brasil com um de seus váaaaaarios 'filhos' feita por @João Laet / Agência O Dia. Uma matéria fofa da minha também amiga Dani Maia (AQUI) sobre o "poder de cura animal". 

Li hoje, no Facebook, uma daquela tiras que diziam: "os cachorros vivem menos, porque já nascem sabendo amar". E o coração derrete, não é? 

Nunca pude ter bichos em casa, mas isso não diminuiu em nada meu amor por eles. Meu primo tem uma casa no Espírito Santo e diz que o Pingado é meu. Eu o chamo mesmo de "meu filho" e ele me atende sempre cheio de amor e 'rabus balancentus'.

pic

Lagoa by @Guto Costa
Esse é um dos fotógrafos do coração :)

6.12.12

Geniais

Niemeyer, 2009
@Foto de Tabach
GENIAL

Vai Niemeyer

* primeiro e único obituário que escrevi na minha carreira. Solto hoje, com tristeza.

***

Morreu aos 104 anos o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer: considerado um dos nomes mais influentes na arquitetura moderna internacional. O arquiteto estava internado  no Hospital Samaritano.


Ícone da arquitetura brasileira, Niemeyer sempre se caracterizou por ser um inovador nas formas: tinha quase uma obsessão por dar curvas ao cimento, característica que o tornou um dos precursores da arquitetura moderna. Em 1988 ganhou o Prêmio Pritzker, uma espécie de Oscar da arquitetura Mundial. Seu nome está intimamente ligado ao que talvez seja o seu mais ambicioso projeto: a construção de Brasília. Ele teve a ousadia de planejar uma cidade e até hoje, 50 anos depois, sua obra é referência internacional. Mostrou o mesmo entusiasmo em sua luta política, questão que sempre marcou sua vida e obra.

Em 1945 conheceu Luis Carlos Prestese filiou-se ao PCB. Niemeyer emprestou a Prestes a casa que usava como escritório, para que este montasse o comitê do partido. Fervoroso comunista, ele chegou a se exilar em Paris e nem esse episódio arrefeceu sua crença e criatividade. Em 1966, desenhou sem cobrar nada a sede do Partido Francês, em Paris, e também deixou sua marca no Centro Cultural Le Havre (França) e em um zoológico em Argel (Argélia), entre outros.

Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares Filho nasceu em 15 de dezembro de 1907 no bairro de Laranjeiras, na cidade do Rio de Janeiro. Filho de Oscar de Niemeyer Soares e Delfina Ribeiro de Almeida, ele passou toda a infância na rua Passos Manuel, que mais tarde recebeu o nome de seu avô, Ribeiro de Almeida, ministro do Supremo Tribunal Federal. Aos 21 anos casou-se com Annita Baldo, com quem ficou por 76 anos e teve a única filha Anna Maria. Viúvo em 2004, ele voltou a se casar dois anos depois, aos 99 anos, com a secretária de seu escritório, Vera Lúcia Cabreira, de 60 anos.

Niemeyer levou uma vida boêmia, mas depois do casamento foi trabalhar na oficina tipográfica do pai, enquanto cursava a Escola Nacional de Belas Artes. Saiu de lá formado arquiteto e engenheiro em 1934. Logo em seguida iniciou sua vida profissional ao ingressar no escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão onde começou a desenvolver o estilo que se tornou sua marca registrada: construções com curvas antes impensáveis em concreto.

Em 1936, realiza o seu primeiro projeto marcante: integra a comissão formada para definir os planos da sede do Ministério da Educação e Saúde, no Rio, sob supervisão do arquiteto francês Le Corbusier. No ano seguinte assinou o seu primeiro projeto individual na cidade, a Obra do Berço, na Lagoa. Em 1939 projetou, com Lúcio Costa, o Pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova York, onde recebeu a Medalha da Cidade. Assim começava a fazer seu nome dentro e fora do Brasil. É, com certeza, o arquiteto brasileiro mais conhecido no mundo. Em 2009, o núcleo de cultura que leva seu nome, em Avilés, na Espanha, teve a ideia de publicar umlivro com 102 cartas trocadas entre Oscar e diversas personalidades das artes e da arquitetura, como o escritor José Saramago e o ator Brad Pitt. O ator visitou o Centro Cultural Oscar Niemeyer na Espanha, ainda em obras, e se entusiasmou tanto pelo empreendimento, baseado em soluções sustentáveis, que se interessou em contribuir para a construção.

Em 1947 ele concebeu, ao lado de Le Corbusier, o projeto para a sede da ONU, em Nova York. Tornou-se assim um nome importante na arquitetura mundial. Entre seus trabalhos mais conhecidos no exterior estão: a sede do Partido Comunista Francês, em Paris (1967); a Universidade de Constantine, na Argélia (1968); a sede da Editora Mondadori, em Milão (1968).

Na década de 40, ele conheceu Juscelino Kubitscheck, então prefeito de Belo Horizonte, que encomenda o projeto que deu forma ao conjunto arquitetônico da Pampulha. Esse foi o início da relação que marcaria a vida e a carreira de ambos. Cerca de uma década depois é o próprio JK, agora presidente da República, quem faz o convite para que Niemeyer colabore na construção da nova capital, cujo plano urbanístico é confiado a Lúcio Costa. Em 1958, ele é nomeado arquiteto-chefe da nova capital e transfere-se para Brasília, onde permaneceu até 1960. Alguns trabalhos, no entanto, só seriam plenamente finalizados tempos depois. É o caso da Catedral de Brasília, que foi projetada em 1958, mas devido a dificuldades jurídicas, só foi inaugurada em 1970.

Suas atividades no exterior não interromperam seus projetos no Brasil:

O Edifício Copan, no centro de São Paulo, foi inaugurado em 1966. A construção permanece sendo a maior estrutura de concreto armado no país. Na cidade ainda criou a Fundação Memorial da América Latina e o Parque do Ibirapuera que foi inaugurado em 1954, mas o só foi concluído 50 anos depois, com a entrega do Auditório Ibirapuera.

O Carnaval carioca também leva a assinatura de Niemeyer. Foi ele que executou o sambódromo da Marquês de Sapucaí e também o projeto do CIEP, cujo objetivo era construir um grande números de unidades escolares que aliassem beleza, baixo custo e rapidez de execução. A técnica utilizada foi a de concreto pré-moldado, que possibilitava erguer cada escola como um jogo de armar em apenas quatro meses. Ainda no estado, o arquiteto projetou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói em 1996. Sua forma circular favorece a vista panorâmica do mar.


“Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de EinsteinOscar Niemeyer

3.12.12

pic

WOW
Bial na Islândia :)
Um colírio do blog da Patricia Kogut
Que a nossa semana seja assim: relax

1.12.12

Frase

"Queria de verdade ser poeta. POETA, sabe? De mão cheia. Capitular. Mas sou apenas esteta num mundo confuso"
[Bia Amorim]

***

Minha prima escreveu no Facebook (mas não deve ser dela):
 
"Justo é o sutiã, que oprime os grandes, levanta os caídos, protege e disfarça os pequenos".


oxê...

I am back


Pois é, muito se fala sobre... Mas é como uma cachaça, a qual a gente eventualmente volta. Voltei. Temporariamente, que fique registrado. Mas nos próximos seis meses "funciono" numa redação na editoria de MODA e BELEZA. Gosto do tema, gosto do lugar, gosto das pessoas que fazem parte da equipe. Confio em Deus e pé na táboa :) Torçam por mim, amores \o/\o/\o/\o/

29.11.12

Soltas



Gente! A questão do carro foi plenamente resolvida, graças a Deus! Tudo no lugar e prontinho para eu brincar de Autobahn outra vez! hahahaha Mentira! Trabalho bem feito e dor de cabeça nenhuma! #Se todos fossem no mundo...

Estacionar em Copabacana está se tornando uma tarefa IMPOSSÍVEL. O Centro do Rio já é um lugar inviável para carros. Quando tenho que ir por aquelas bandas é metrô ou táxi. Copa é uma região turística, minha gente! Difícil até encontrar lugares do tipo parou-pagou. Achei uma vaga por milagre na segunda volta ao quarteirão. Mas era daquele tipo: mortadela-fatiada-fininha, sabe? Foi um carioca-sangue-bom que estacionou para mim. Tivemos que fechar os espelhos para caber. Sufoco que no final arranca até gargalhadas.

Tomei um chá de cadeira no Jardim Botânico. Foi até bom para acalmar, porque tive que estacionar rente ao córrego, né? Mas enquanto estava na recepção, enformada num sofá que certamente deixaria a minha bunda quadrada, eis que entra: Marcello Noaves. Está magrinho e com o corte de cabelo bem rente. Uma graça. Recepcionistas suspirando alto. Como uma figura pode alegrar um dia, né, não?

Visitei antigos amigos. Dei um até breve. Estacionei o carro naquele tipo de vaga que não é de enfiar, mas na lateral, sabe? Não gosto desse tipo de vaga, mas agora sei que já sei estacionar assim! \o/ Não é uma beleza você descobrir que as fronteiras dos seus limites estão mais largas? Não é uma Brastemp, ok, mas pode ser uma Cônsul, why not? 

Comidinhas diferentes e emails fofos para celebrar uma nova etapa na minha vida, que começa amanhã. Que comecem os jogos!

Ah! Li que Martha Medeiros disse que foi muito influenciada por Alain de Button, que ADOOOOOOOOOOOOOORO! Essa semana fui atrás de um livro dele na Saraiva e não tinha nada, nada, nada de bom. Será que está virando POP? OK, pop sempre foi, mas falo sobre essas febres de vender feito água, de consumo pelo consumo e não pela divina apreciação. Enfim...

Boa Noite
 

28.11.12

Feriado em Família

O Resultado!






# Sempre disse que na minha família eu encontro a dose certa de loucura, criatividade e espontaniedade para criar muitas coisas. Pois é, a criatividade necessita sim de muita liberdade para se manifestar. Em tempos de não liberdade, ela acaba por aflorare  jorrar em outras direções. Talvez seja um jato indomável, um fluxo para o qual existem poucas barreiras, fronteiras, anteparos... Gosto das manifestações sinceras e me apego à alegria de poder ser quem se quer ser, longe das normas formais ou olhos de censura invejosa.

Domadora de lagartos


beijo pro Glauber


cotidiano

- Meu príncipe veio me dar um beijo de bom dia e foi tão suave que nem senti. # Velando sonhos...
- Verás o de fim de tarde!
- Não verei, porque fecharei os olhos para despertar todos os outros sentidos!


#to be continued...

pic


27.11.12

Cotidiano

Hoje seria aniversário do meu Pai :) 
Meu 'menino' faria 79 anos.
Será que é por isso que ando sonhando direto com ele? rs

***
 Sabe esses motoristas que têm a mania de andarem colados ao carro da frente? Aqui no Rio isso é irritantemente comum. Fui vítima de um 'barbeiro desses'. Ao fazer uma curva e ter que dar um pique no freio, ele veio para cima do meu parachoques. Sorte que eu não estava copm o pé no freio, senão, teria amassado mesmo. Só tirou a tinta.

Estou contando o fato, porque há certas coisas que a gente precisa sempre ter em mente. Por exemplo? A polícia carioca não vai mais ao local da batida fazer um Brat, a menos que tenha vítima. O procedimento seria ir com a pessoa que bateu até a delegacia mais próxima. E fico me perguntando em que mundo o legislador vive para achar que isso possar dar certo numa cidade como a minha?!

Voltando a história. Encostei o carro e fiquei olhando o senhor atrás saltar para avaliar os danos. Ele quis me garantir que não havia sido nada, que apenas um polimento resolveria. Só que a tinta dele estava TODA no meu carro, iclusive arrancando a minha própria tinta. Não pude deixar por menos e pedi os dados dele.

Pois bem. A mulher (enorme) que estava ao lado dele se doeu quando eu quis exigir meus direitos. Levantou gritando, dizendo que a culpa era minha.

- Minha culpa? Quem bate por trás é sempre o culpado. Está na lei.
- Nem sempre! A culpa foi sua que freou.

A essa altura eu nem me dei conta de argumentar que os carros freiam mesmo (oras) e que o dever do condutor é estar à distância de um carro do veículo da frente.

- Minha senhora, eu sou joprnalista e estou por dentro dos meus direitos e deveres por força da minha profissão.
- E dai? Eu sou professora! Você está errada.

E foi avançando para cima de mim. Eu estava sozinha.     

- Eu estou errada? Vamos até a policia então para registrar o ocorrido e ver de quem é a culpa!

Nesse momento, o motorista já estava com o corpo todo na frente dela, dizendo para ela parar e voltar para o carro, porque ele já estava se acertado comigo. Quase carregou a mulher à força para dentro do carro. Ele me disse, então, que o carro era do irmão dele e que ele estava apenas levando uma criança para o colégio. Ele me passou todos os dados, me mostrou a carteira de motorista dele e disse que o irmão, dono do carro, era dono de uma oficina e que poderia fazer o serviço. Bla bla bla

Antes de sair dali, olhei para a cara dele e disse: 

- O senhor sabe que o senhor é que estava errado, não é? Não pode andar colado ao carro da frente!

Ele balançou a cabeça.

Dessa história toda, o que me fica é o seguinte:

* A pessoa está errada e quer ganhar no grito (pra que, meu Deus?);

* A pessoa no carona não deve ter a menor noção do que é direção, das leis de trânsito, é faz questão de dar o seu "aparte" (pra que, meu Deus?);

* Por que as pessoas sem conhecimento acham que têm razão? (por que, meu Deus?) 

* Por que ela me disse que era professora? (a troco de que? Ia me ensinar a lição?)

* Imagina uma professora dessa dentro de sala de aula? (melhor nem imaginar, certo?) 

Ellen


Ellen Jabour na onda de Dominatrix! (pois é, para que mora fora, essa verve trazida pelo livro "50 Tons de Cinza" também chegou por aqui e tem causado certas experimentações estéticas). Essa é uma moça muito especial, linda por dentro e por fora. Vegetariana convicta, porque ama os animais e diz que "não comeria meus amigos". Gostei do jogo de luz e sombras dessa foto para a campanha da marca de óculos Absurda.

26.11.12

Frase

Essa eu ouvi de um amigo jornalista hoje:

"Não devemos correr atrás da felicidade, mas ao lado dela"

[Anderson Dezan]

News

Agora, a outra novidade :)


Amiga minha é dona da M2 Produções Jornalísticas e Publicitárias, que tem projetos incríveis relacionados à publicações. Tudo é luxo! Então, ela estava elaborando uma revista sobre festas de casamento para o Iate Clube do Rio de Janeiro e me chamou para produzir as matérias. Fui atrás de noivas lindas e maravilhosas que se casaram naquele lugar idílico. Também ouvi suas histórias desse dia tão significativo e escrevi, olha que coisa (?!), fundamentalmente sobre um dia que é só amor!

A foto, que ilustra o post, é afetiva. Eu estava nesse casamento :) Meus amigos Ana e Tiago toparam contar como tudo começou e terminou em festa e agora estão em belas páginas, emoldurando sonhos. Muita gente que ainda vai se casar gosta de ver esse tipo de reportagem. Mas, muito mais que decoração e fornecedores, falamos sobre vida. Quando dois se tornam um e fazem desse rito uma passagem para uma nova existência reunindo a todos que amam e torcem pela felicidade.

Corri tanto para entrevistar as noivinhas! Muitas voltando da lua de mel! Todas doces, vivendo suas histórias modernas com seus amores parceiros.   

The book is on the table!

É com muita alegria que venho até aqui dividir uma boa notícia. Mais um capítulo para quem vem 'pacientemente' (hehehe) acompanhando as minhas histórias; criando comigo as minhas memórias; vasculhando meus sentimentos atrás de coisas boas que elevem (e enlevem) o pensamento. Com vocês, tudo ganha eco e novos sentidos.
 

Pois bem. Esse é só o começo de um sonho, de uma caminhada (assim eu desejo!). Ainda não é o meu, mas nasceu um livro que ajudei a escrever! Fiz parte das entrevistas nele contidas e conheci gente muito bacana, histórias de vida deliciosas, que nos ajudam a acreditar que o futuro, mesmo com suas libações, pode ser surpreendentemente bom.  Faço parte da produção dessa obra comemorativa que, portanto, não será vendida. Mas as minhas letras estão ali, meu jeito de ver o mundo e entender as pessoas, meu estilo de contar com graça o que para muitos era apenas coisa de cotidiano.

O melhor de todo trabalho são as pessoas que passam por ele. Ok, as pessoas "do lado de cá do balcão" podem tornar a sua vida bastante complicada. Não foi o caso. Ouvi histórias lindas de viver! Gente que superou câncer ou problemas do coração; pessoas que encontraram nos companheiros de trabalho aquele bocado de autoestima necessária para se desenvolver ou aqueles que nesse mesmo grupo redescobriram o amor. Houve quem se tornasse desportista ou coralista. Soube dos que tiveram seus filhos fora do país ou puderam proporcionar o montante necessário para que os seus estudassem fora. Gente que comprou carro, casa, que cuidou da mãe, que adotou estagiário como filho do coração. 

Também soube daqueles que realmente se importavam em ver o país crescer ou que deixou um legado de uma vida inteira para o filho, que inicia carreira na mesma empresa. Ouvi relatos de quem usou suas férias para conhecer o mundo e daqueles que trouxeram um pedaço dele para dentro da usina, de casa, da vida. Curti muito o cara que disputa campeonato de peteca; o que esqueceu o carro na garagem da firma; o que pregava peças no supervisor. Gente que driblou crises e incertezas, tempos de festa e de dureza ("faltava até o cafezinho"), que derrubou barreiras (literalmente - na estrada de Angra) para terminar a faculdade e ascender profissionalmente... Gente é bela, gente que é fera. Gente como eu e você.
 
\o/ Deus é bom :)

25.11.12

pic


22.11.12

O conflito

Estou há dias para escrever sobre isso, mas justamente me pergunto sobre a "última camada da verdade sobre os fatos". Aquela que ninguém têm acesso. 

Quando estive lá, mês passado, também vi umas hostilidades dos Israelenses em relação aos Palestinos, mas NADA que justificasse o ataque ou o uso de civis como "marketing de guerrilha". 

Para o Hamas, a morte tanto de Israelenses como a de Palestinos gera "benefícios" midiáticos. É triste...

ACT me disse:  "O que mais me incomoda é que a mídia não é imparcial. É uma postura anti-semítica incompreensível no Brasil! Não sou judia. Mas o que se sabe é que Israel reagiu depois de centenas de mísseis lançados pelo Hamas. Essa informação é suprimida. E só falam dos civis Palestinos que morreram. Escudos humanos. Vítimas muito mais do Hamas que de Israel".

Pensemos!