12.5.13

Tá chovendo meias!

Amiga minha contou que, ao entrar na adolescência, a filha dela pediu para pintar o cabelo. Ficou lindo, de um vermelho suave. Na realidade, a menina queria azul. Eu disse: "há colégios que não deixariam ela assistir aula de cabelo azul". Grande parte da turma que estava com a gente protestou contra esse "agravo" que seria impedir uma pessoa de se expressar através do cabelo. Eu me calei. Faz tempo que não frequento a escola e já não sei a quantas anda o padrão e a rigidez em colégios particulares. Sei que os militares são mais exigentes...

Então lembrei de um querido e antigo colégio. Naquele tempo os padres tentavam impor um mínimo de disciplina nos uniformes. Aos poucos as rígidas regras foram caindo. Hoje, a escola exige apenas a blusa do uniforme, porque o resto fica a cargo do aluno e do 'bom senso'. Quando entrei lá, a coisa era tão séria que nos pés a gente usava kichute! Arc! O calçado tinha que ser todo preto e como não havia muitas opções, a criançada lançava mão desse tênis que tinha o cadarço tão grande, que a gente dava voltas pelo tornozelo. Antes de cair a exigência do tênis preto, os alunos driblavam outra determinação: meias pretas. Eu não me lebro o motivo, mas a gente odiava usar meias. Imagina o chulé dentro daquele tênis!

Um dia baixou a inspeção geral. Professores e funcionários nas entradas das escadas mandando a criançada levantar a calça para checar as meias. Muitos estavam ou sem meias e com outra cor nos pés. Quem mais ia ligar para esse detalhe? Resultado: um monte de gente barrada do lado de fora. Então, o mais inesperado ainda aconteceu! Quem conseguiu passar, começou a jogar suas meias pela varanda para que os barrados pudessem entrar. Meninos, eu vi! Uma chuva de meias pretas sobre a minha cabeça. Meu amigo Dudu jogou as dele para mim. Gente, chuva de meias pretas é realmente um fenômeno raro! Mas o mais incrível era a gente conseguir usar a meia de outra pessoa! hahahahahaha Era muito despreendimento para usar e muita amizade para emprestar.


Claro, depois do episódio da chuva de meias, os inspetores e professores nunca mais fizeram essa rígida inspeção. Aos poucos, a necessidade do tênis preto foi caindo. Depois, as calças jeans viraram bermudas jeans e estas deram lugar a qualquer tecido, contanto que se usasse a blusa do colégio. O lance estava tão liberal, que não duvido que existam pessoas indo de chinelo para escola hoje. Talvez essa seja apenas uma forma de se expressar: com os pés! Ou de evitar o fenômeno da chuva de meias!    

2 comentários:

Leticia Pessole disse...

Suas estórias parecem aquelas que as tias (as legais) nos contam e nos fazem imaginar, em detalhes, como foi o ocorrido. Deu uma baita saudade, uma nostalgia, dos tempos de escola, em que a preocupação que tínhamos era de fato com o uniforme e onde realmente existiam amizades e desprendimento.
Saudades desse blog. Ainda bem que o resgatei.... Boa escrita Bibi!

Bibi disse...

hahaha legal ser da turma das tias legais! Acho que cresci ouvindo e gostando de ouvir histórias e a minha escrita é bem do jeito que eu falo! Então, fica assim! Mas essa história foi real! Ainda tenho um pouco de dificuldade para fazer contos que não tenham um pé de realidade! hehehe

Que bom te ter aqui!

Bjs