23.1.11

A alegria de pobre está nas pequenas coisas. A das crianças também.

 
A alegria de pobre está nas pequenas coisas.  A das crianças também.

No Rio de Janeiro faz um calor alucinante. Está difícil até andar pelas ruas, que dirá manter qualquer tipo de elegância e refinamento. Mas a roda gira e as coisas acontecem e você é obrigado a ir, realizar.

Então hoje estava dentro do ônibus bem na hora do almoço, quando o sol está de lascar lá em cima. Olhando pela janela vi aquela cena carioca. Uma mãe e duas crianças se banhavam em um chafariz em frente à maternidade pública. A criança, que devia ter uns 3 ou 4 anos, pulava dentro da água numa alegria que se espalhava por toda volta.

Era uma cena que ao olhar "estrangeiro", por exemplo, poderia parecer coisa de índio. Era uma cena que ao olhar mais crítico poderia soar como depedração do bem urbano. Podia ser uma cena até contra a saúde pública. Mas, pelo menos para mim, tudo ficou menor diante da alegria descara e deflagrada daquela criança. Era lindo de se ver no que um pouco de água represada num calor escaldante pode se transformar: em felicidade.

Então, alegria genuína não é comprada por dinheiro, não é conquistada por um grande esforço ou êxito (apenas). Acho que ela tem muito mais a ver com uma coisa interna, com estado de espírito e disposição. E a criança encontra meio e fim onde a limitação adulta só exerga a possibilidade óbvia.

***

Essa foto foi mandada por uma Ciclista: a Paula.
Obrigada Paula, pelo e-mail gentil e a foto fofa!

8 comentários:

Saulo disse...

Típica de um verão carioca, deve realmente ter sido uma cena minimamente refrescante para a alma!

Bibi disse...

Saulo é essa a frase: refrescante para a alma!!!!!

Paula Barros disse...

Enquanto a grande massa se mostra adepta dos benefícios oferecidos pelas cidades, aos poucos o homem se mostra cada vez mais cansado da rotina urbana, enlouquecedora.
A simplicidade está em viver a vida sem exigências descabidas. Quem opta pela simplicidade,
descomplica o dia-a-dia. Muitas vezes nos perdemos em detalhes completamente desnecessários. E, com isso, tornamos insuportável a nossa vida e a dos outros.
Observe com atenção e você perceberá: fazemos exigências demais por causa de coisas mínimas,
das quais nem nos lembramos depois de algum tempo. Por isso, a opção de viver com simplicidade é, antes de tudo, um jeito de agradecer a Deus pelo que recebemos.
Quer ser feliz? Seja simples. Experimente o prazer das coisas que estão ao seu redor!
Olhe para o céu, veja as nuvens tingidas de ouro no infinito azul.
Ouça o som das risadas espontâneas, sinta o frescor de um copo de água, o sabor de uma fruta, a
serenidade de uma noite bem dormida.
Veja a beleza de livros e canções. Quem disse que não há prazer nas coisas pequeninas que Deus pôs ao nosso alcance?

Bibi, obrigada, ameiiii o final "E a criança encontra meio e fim onde a limitação adulta só exerga a possibilidade óbvia." Muitaaaa inspiração, que Deus continue trazendo essa facilidade de expressar tanto amor através das palavras. Bjs.

Bibi disse...

Paula, que coisa mais linda que você escreveu! Obrigada!

ADORO quando vocês que lêem destacam a frase ou o trecho que mais gostaram. Essa frase eu também gostei muito depois!

Continua me escrevendo que me faz bem!

Beijos

Paula Barros disse...

Bibi, Agora mudando de assunto...o Saulo é uma gracinha, né

Bibi disse...

Sim, sim, é uma graça! Amo muito

Saulo disse...

;)
Assim eu fico encabulado!!
rsrsrs

Bibi disse...

Vc? Ahhhhh! Duvido!