22.4.10

Em Obra


Uma quinta-feira. Acordei resolvida com parte do meu mau humor. Parte. Tenho em mim uma tristezinha em forma de fardo e pesar. Uma bruma que me acompanha com certa constância e fatal insistência. Uma nuvem ou uma sombra, a qual não tenho acesso direto. Deixei-me ser mais humana do que apenas ser humana. Fiz acordo com as palavras, com aquelas que me desafiam internamente. Acordo selado tentando encontrar forma e lugar para pousar e repousar. E vou com areia e vento delineando os caminhos meus, os quais não poderei voltar. Ninguém pode, afinal. Quando se volta na busca vã por instantes fecundos, já jazem desfeitos, refeitos, novos. Retroceder é permitido apenas para novas construções. "Sigo para o alvo, para a soberana vocação de Deus". Invento desculpas quase tão perfeitas que todos nós acreditamos. Ou apenas nos fiamos nela para continuar. Todos somos armados de um arsenal de desculpas tolas. Tempos de faxina na casa se aproximam. Por enquanto, me permito ao silêncio e à contemplação do que me tornei. Estamos em obra.

6 comentários:

jose luis disse...

coisa bonita que e' o silencio

Bibi disse...

será?

fernando disse...

Não sei se o silêncio é uma coisa bonita, para mim é quase como um sinônimo da angústia ou da reflexão (o que é bom se for a segunda opção).
Fechar-se para uma auto-avaliação é bom, orque depois podemos nos abrir com os filtros funcionando plenamente, possibilitando a canalização das energias para o foco correto.

Bibi disse...

Fernando: O silêncio é bonito quando ele toma o lugar da briga, da troca de ofensas, do desaforo, de palavras cortantes que fatalmente não se quer dizer e se diz por falta do silêncio. "Tudo que cala fala mais alto ao coração". O silêncio pode ser reflexão sem angústia. Pode ser com tb, mas pode ser sem. O silêncio pode ser contemplativo. O silêncio pode ser muito feio e dolorido também!

Saulo disse...

Senti sua falta no Mistura Carioca na Lapa... a sua cara! rsrs Vamos marcar outra...

Bibi disse...

Humores...